Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Novo protocolo traz atualizações essenciais para o combate à hepatite B

Mas, para colocá-las em prática, é preciso diagnosticar a doença. Processo depende de um teste simples, que precisa entrar na rotina dos consultórios

Por Eric Bassetti, gastroenterologista*
23 fev 2023, 09h48

Considerado um dos mais preocupantes problemas de saúde pública no Brasil, o vírus da hepatite B atinge, atualmente, 1,1 milhão de pessoas e apresenta estimativas preocupantes para os próximos anos, relacionadas principalmente ao baixo percentual de diagnósticos realizados.

Nesse cenário, há uma notícia animadora: a publicação de um novo Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas (PCDT), que conta com evidências científicas de estudos recentes e a incorporação de medicamentos, produtos e procedimentos inovadores.

Em relação ao PCDT anterior, de 2017, há atualizações importantes quanto à elegibilidade do tratamento da hepatite B, ficando mais claro os critérios para definir quem deve ser tratado, isto é, pacientes com sinais de inflamação no fígado. Anteriormente, os critérios dependiam de mais testes e de uma interpretação complexa, dificultando a administração dos medicamentos aos pacientes.

Entretanto, a mais significativa novidade está na inclusão do medicamento tenofovir alafenamida no rol de tratamento. Ele provoca menos efeitos adversos, como perda mineral óssea e prejuízos à função renal. Há mais de uma década nenhum novo medicamento era incorporado.

Continua após a publicidade

Diferente da hepatite C, para a qual existe cura, o tratamento da hepatite B é contínuo e depende de terapia provavelmente durante toda a vida do paciente.

+ Leia também: Silenciosas, hepatites B e C são principais causas de câncer no fígado

Diagnóstico é simples, mas é um desafio

A presença do vírus da hepatite B costuma ser silenciosa, dificultando o diagnóstico e o fim da cadeia de transmissão. Vale lembrar que as hepatites B e C estão entre as principais causas de câncer de fígado.

Continua após a publicidade

Para reverter esse cenário, o acesso à testagem é imprescindível – e é justamente aí que entram os profissionais de saúde, que devem incluir o pedido de teste na rotina de tratamento.

O ideal é que todas as pessoas sejam testadas ao menos uma vez na vida. Isso pode ser feito de forma rápida, fácil e gratuita em toda a rede pública de saúde.

Como é a transmissão

Também é essencial que as pessoas entenderem que a transmissão pode ocorrer de várias formas. Alguns exemplos:

Continua após a publicidade
  • Nas relações sexuais sem o uso de preservativos
  • Quando a mãe que possui a doença passa para o bebê no momento do seu nascimento (a chamada contaminação cruzada)
  • Por meio do compartilhamento de seringas, agulhas e demais materiais para a utilização de drogas e em transfusões de sangue
Compartilhe essa matéria via:

Dá para prevenir

A doença, que não tem cura, pode ser prevenida com o esquema vacinal de três doses, sendo a primeira ao nascer, a segunda com 1 mês de vida e a última, aos 6 meses.

Para aqueles que não foram submetidos à vacinação nas idades indicadas, a imunização pode ocorrer a qualquer momento: basta ir a um posto de atendimento público.

Continua após a publicidade

Para identificar aqueles com infecção pelo vírus da hepatite B e sinais de comprometimento do fígado, são realizados alguns exames de sangue: o de carga viral e o ALT (alanina aminotransferase), solicitado para avaliar as funções do fígado.

Também é importante avaliar o grau de fibrose (cicatrizes) no fígado, o que pode ser realizado por exames não invasivos.

Em paralelo, é primordial que haja um investimento contínuo na pesquisa e no desenvolvimento de novos medicamentos que possam proporcionar controle da doença e qualidade de vida aos pacientes diagnosticados.

Continua após a publicidade

O PCDT completa esse conjunto de iniciativas que pode levar o Brasil a atingir sua meta nas próximas décadas e se tornar referência no combate a uma das doenças mais desafiadoras da atualidade.

*Eric Bassetti é médico gastroenterologista, especialista em hepatites virais e diretor médico associado da Gilead Sciences Brasil

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.