Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Há um anticoncepcional ideal para cada mulher?

Hormônios, tempo de duração e efeitos colaterais são alguns detalhes que devem ser levados em conta na hora de escolher o método contraceptivo

Por Priscila Carvalho, da Agência Einstein*
Atualizado em 29 out 2021, 15h19 - Publicado em 28 out 2021, 18h52

O método contraceptivo mais utilizado pelas brasileiras é a pílula anticoncepcional, segundo levantamento feito pelo Instituto Ipsos com a farmacêutica Organon. Para 58% das mulheres, essa é a primeira opção, seguida do preservativo ou a camisinha, adotada por 43%.

O DIU de cobre foi apontado por 8% das entrevistadas, e 6% disseram que usam a injeção mensal. Ainda, apenas 13% afirmaram terem domínio pleno do próprio planejamento reprodutivo. As entrevistas foram realizadas com 450 mulheres de todas as classes sociais e regiões do Brasil, no primeiro semestre de 2021.

Apesar de serem as opções mais conhecidas, essas não são as únicas. Divididos entre métodos hormonais e não hormonais, os anticoncepcionais têm especificidades que, sob a orientação de especialistas, precisam ser analisadas para que as mulheres escolham com consciência.

Veja abaixo a lista dos principais e as indicações de cada um:

MÉTODOS HORMONAIS

Pílula
Há dois tipos principais de pílulas anticoncepcionais: as que combinam moléculas das famílias do estrogênio e da progesterona, os hormônios sexuais femininos; e as que são compostas apenas de representantes da progesterona.

No primeiro caso, a pílula é indicada não apenas para a regulação do ciclo menstrual, mas também para uma melhora na acne. Dentre os efeitos comuns, esse tipo de formulação pode gerar uma leve dor de cabeça, problemas gastrointestinais e aumento nas varizes.

Continua após a publicidade

Isso deve chamar atenção de mulheres que já tiveram casos de trombose, ou têm um risco maior em desenvolver a condição. O estrogênio, ao ser metabolizado pelo fígado, favorece a coagulação do sangue, aumentando esse risco.

+ LEIA TAMBÉM: Uma nova era para as pílulas anticoncepcionais

Para elas, as pílulas à base de apenas progesterona podem ser uma alternativa, ou outros métodos não hormonais, segundo Rita Géssia Patriani Rodrigues, ginecologista e uroginecologista com especialização em Saúde da Mulher pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Essa opção, inclusive, pode ser usada sem necessidade de pausa na cartela, e é indicada a lactantes.

Seja qual tipo de formulação, as pílulas são seguras e garantem proteção contra a gravidez. Mas é preciso que sejam tomadas nos dias e horários corretos. Não são indicadas a mulheres sem uma rotina regrada.

Adesivo
Conhecido como transdérmico, o método libera versões dos hormônios femininos na pele, por onde é absorvido. A troca é feita semanalmente e, após cerca de 21 dias, a mulher deve fazer uma pausa durante sete dias antes de colocar um novo adesivo. O uso incorreto aumenta o risco de falha do anticoncepcional.

Os efeitos colaterais mais expressivos são vermelhidão no local aplicado. Como funciona igual às pílulas combinadas, com a associação dos hormônios, não é recomendado para pacientes que tenham risco de trombose, devido à alta taxa do estrogênio em sua composição.

Continua após a publicidade

Anel vaginal
Com uma ação semelhante à pílula e ao adesivo, o anel vaginal também combina os hormônios estrogênio e progesterona. As substâncias, no entanto, são absorvidas diretamente na vagina e por um período de três semanas.

Após o tempo estipulado, a mulher precisa retirar o dispositivo e aguardar sete dias, até que um novo anel seja inserido. Da mesma forma que as outras formulações, devido a combinação dos hormônios, quem tiver risco de trombose deve evitar esse método.

Como o tempo em que o anel permanece no organismo da mulher é longo, é um método indicado a mulheres que têm o costume de esquecer de tomar a pílula ou trocar o adesivo no intervalo correto. O item não gera incômodo e não atrapalha as relações sexuais.

Injeção
Aplicado no músculo do glúteo, há duas versões para este anticoncepcional liberar os hormônios femininos: aplicações todos os meses ou a cada três meses.

A diferença entre as duas modalidades é que, no caso da injeção mensal, caso a mulher não consiga tomar na data exata, há um limite permitido de três dias, antes ou depois do dia previsto. Já na injeção trimestral, o anticoncepcional deve ser administrado na data estipulada, para não haver falhas.

Continua após a publicidade

Por não exigir uma obrigação diária, o método é indicado para as mulheres com rotinas estressantes, e que tendem a se esquecerem de tomar a pílula oral, por exemplo.

Assim como as demais opções, a injeção traz alguns efeitos colaterais, segundo Ana Paula Aquino, especialista em ginecologia e obstetrícia pela Febrasgo. “Com o injetável só de progesterona, a mulher pode, sim, ter um aumento de peso”, cita. O injetável também pode aumentar o fluxo menstrual de algumas mulheres e retardar o organismo para futuras gestações.

DIU hormonal
Há diferentes versões para o dispositivo intrauterino (DIU), cada qual com suas vantagens. O modelo hormonal age no organismo ao liberar apenas a progesterona diretamente no útero e na região pélvica. Com isso, altera a mucosa da região cervical, a motilidade das tubas uterinas e o endométrio, impedindo a gravidez.

O DIU hormonal também pode ser usado como parte do tratamento de algumas condições, como endometriose e miomas. Em alguns casos, pode evitar procedimentos cirúrgicos.

+ LEIA TAMBÉM: A evolução na contracepção e seu impacto na revolução feminina

Continua após a publicidade

A colocação pode ser feita em consultórios médicos particulares, mas também via Sistema Único de Saúde (SUS). A duração é de cinco anos.
A vantagem desse método é que a mulher não precisa ficar presa a datas específicas (de remoção ou recolocação, por exemplo) para que a eficácia seja completa. Contudo, é necessário realizar exames anuais para saber se o DIU se manteve no lugar, além de trocá-lo na data de validade.

Implante subdérmico
Considerado um dos métodos mais seguros, com menor falha, o implante subdérmico funciona liberando versões da progesterona pelo corpo todo, a partir da corrente sanguínea. Ao contrário do anel vaginal ou do DIU, ele não atua em uma região específica do corpo.

Fisicamente, é um pequeno cilindro flexível, feito de plástico, do tamanho de um palito de fósforo e inserido no braço, por punção ou através de um aplicador. Não é indicado a mulheres que preferem ter ciclos menstruais regulares, visto que, ao longo do uso, a menstruação pode oscilar, segundo Ana Paula Aquino, especialista em ginecologia e obstetrícia. O método tem duração de três anos.

MÉTODOS NÃO HORMONAIS

DIU de cobre
Nesse caso, o DIU de cobre gera um processo inflamatório na camada interna do útero, o endométrio. Com isso, dificulta a sobrevivência do espermatozoide, e impede a fecundação. No caso do DIU de cobre, a duração é de até 10 anos.

Este dispositivo não afeta a ovulação e nem o ciclo menstrual. Da mesma forma que o DIU hormonal, as mulheres que optarem pela versão de cobre precisam fazer exames ginecológicos anuais para garantir que o dispositivo está em uma posição correta, e se ainda está com sua função efetiva.
A opção é válida para quem não quer ou não pode usar hormônios. A desvantagem é que esse contraceptivo aumenta o fluxo menstrual e potencializa cólicas.

Continua após a publicidade

DIU de prata
A ação do DIU de prata se assemelha à versão de cobre para a prevenção da gravidez, mas com um benefício a mais: reduz a quantidade de sangue durante a menstruação e ameniza também as dores.

A eficácia, no entanto, é menor: cinco anos, ao invés dos 10 anos do DIU de cobre. O dispositivo intrauterino também deve ser monitorado por meio de exames de ultrassom para garantir a eficácia ao longo do período de proteção.

+ LEIA TAMBÉM: Pílula do dia seguinte: conquista que não deve ser banalizada

Camisinha feminina
Ao contrário dos métodos listados, a camisinha feminina é a única que, além de impedir uma gestação, previne contra as infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), como Aids, sífilis e HPV. Ao ser inserida no canal vaginal, a camisinha atua como uma bolsa que vai coletar o esperma liberado, impedindo que entre em contato com o colo do útero.

*Esse texto foi publicado originalmente pela Agência Einstein.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.