Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Novo anticoncepcional masculino se sai bem em estudo. Agora vai?

Surge no horizonte uma opção de contraceptivo oral para os homens. SAÚDE investiga essa história

Por Theo Ruprecht Atualizado em 15 jul 2019, 10h18 - Publicado em 27 mar 2018, 16h09

A apresentação de uma pesquisa com um novo anticoncepcional masculino foi bastante aguardada no Encontro Anual da Sociedade de Endocrinologia dos Estados Unidos. E os resultados com o remédio, chamado de undecanoato de nandrolona (ou DMAU, na sigla em inglês), animaram em um primeiro momento.

Mais de 80 voluntários participaram do estudo. Por um mês, alguns deles receberam diferentes doses do contraceptivo, uma vez por dia, enquanto outros engoliram pílulas sem qualquer princípio ativo (placebo).

A partir daí, os cientistas notaram que doses mais elevadas de DMAU reduziram os níveis de testosterona e outros hormônios no corpo responsáveis pela produção de espermatozoides saudáveis. “Esses resultados não têm precedentes no desenvolvimento de uma pílula contraceptiva masculina”, diz Stephanie Page, endocrinologista da Universidade de Washington (EUA) uma das autoras do experimento, em comunicado à imprensa.

Urologista e diretor da Clínica Androscience, Jorge Hallak é menos otimista. De acordo com ele, métodos que focam no eixo hormonal trazem um risco de alterar para sempre a função dos testículos, o que levaria a uma infertilidade de difícil reversão, entre outras coisas.

“A gente vê algo parecido acontecer com o uso inadequado de anabolizantes ou de testosterona nas academias”, afirma Hallak. “Homens que utilizam essas substâncias acabam se tornando inférteis com o tempo”, arremata.

Continua após a publicidade

Ele, no entanto, afirma que as pesquisas com anticoncepcionais masculinos estão avançando e, em breve, podem trazer ainda mais novidades. “Há outros contraceptivos em testes com mecanismos mais modernos, capazes de colocar uma venda nos olhos do espermatozoide, assim por dizer”, analisa.

Ou seja, a substância alteraria receptores da célula reprodutiva masculina que não a deixam se ligar ao óvulo. Isso sem mexer com os hormônios ou os testículos, em teoria.

Especificamente sobre o DMAU, Stephanie Paige ressalta que, na sua investigação, poucos homens reportaram sintoma de deficiência ou excesso de testosterona, diferentemente de outro composto que chamou a atenção em 2016. Entre os efeitos colaterais, notou-se uma ligeira diminuição no colesterol bom, o HDL, e ganho de peso. Além disso, 17 participantes abandonaram o levantamento.

Como nada grave foi identificado, os estudos devem avançar, agora com mais homens, e por um período maior de tempo. “Realmente, um mês de acompanhamento é pouco tanto para verificar a eficácia quanto a segurança”, opina Hallak.

O recado é que ainda temos anos a nossa frente antes de vermos uma pílula anticoncepcional masculina. Porém, os experimentos estão avançando.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês