Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Febre amarela: não dá mais pra se vacinar para o Carnaval. E aí?

Como demora dez dias até surtir efeito, a vacina não garante proteção para o feriado. Mas há como curtir o carnaval sem correr o risco de ser infectado

Por Da Redação Atualizado em 9 fev 2018, 14h30 - Publicado em 5 fev 2018, 18h28

O Carnaval gera um grande movimento de turistas – tanto de brasileiros como de estrangeiros – no nosso país. Mas os casos de febre amarela estão preocupando muitas pessoas. Afinal, como evitar a infecção no feriado sem perder toda a diversão?

A má notícia: a vacina da febre amarela só garante imunização comprovada após ao menos dez dias da aplicação. Segundo os estudos, esse é o prazo confiável para que o próprio corpo produza anticorpos em níveis suficientes de modo a debelar a doença.

Se considerarmos o sábado (10 de fevereiro) como o primeiro dia da folia, o 31 de janeiro marcaria o limite final de segurança. Ou seja, quem ainda não tomou sua dose não estará totalmente resguardado até o carnaval, mesmo que vá ao posto agora.

Mas antes de cancelar a viagem, convém ficar de olho em um ponto crucial: as cidades que mais atraem foliões não exigem a vacinação. Em outras palavras, os centros urbanos de Rio de Janeiro (RJ) e Salvador (BA) não têm casos de infecção. Mesmo as regiões centrais de São Paulo, que ganhou notoriedade no carnaval por causa dos bloquinhos, estão livres da enfermidade.

O maior problema é, de fato, viajar a regiões com indicação da vacina. No Rio de Janeiro, por exemplo, municípios como Valença e Teresópolis demandam cuidado especial – ambos tiveram casos recentemente e estão firmados em áreas com muitas matas.

Continua após a publicidade

Lembre-se de que é nessas regiões que circulam os mosquitos Sabethes e Haemagogus, transmissores da febre amarela no ciclo silvestre – desde 1942 não registramos um caso urbano, passado pelo Aedes aegypti.

Não foi imunizado e pretende tomar banhos de cachoeira ou fazer trilhas em florestas? Então é melhor se certificar com um profissional de saúde de que o vírus da febre amarela não chegou ali.

Clique aqui e confira os municípios de todo o Brasil com recomendação de vacinação.

Só o repelente é suficiente?

Ele outras formas de impedir a picada de insetos seguem primordiais. Mas não dá pra ficar completamente tranquilo em uma área com risco de infecção por febre amarela adotando apenas essas medidas. Se alguém da família não tomou a vacina por esquecimento ou contraindicação, o melhor é adiar a viagem.

Leia tamém: Como usar glitter sem ameaçar a pele e a saúde

De qualquer jeito, o uso do repelente não está descartado até para quem já se vacinou. A febre amarela não é a única doença transmitida por mosquitos. Que o digam a dengue, o zika e o chikugunya –males espalhados até em grandes cidades pelo Aedes aegypti.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês