saudeLOGO Created with Sketch.

Vacina de febre amarela fracionada: campanhas serão antecipadas

Os estados de São Paulo (SP) e Rio de Janeiro (RJ) começarão a oferecer as vacinações com doses fracionadas contra essa doença a partir do dia 25

Inicialmente marcadas para começarem em fevereiro, as campanhas de vacinação para febre amarela nos estados de São Paulo (SP) e Rio de Janeiro (RJ) foram antecipadas já para o fim de janeiro. Com foco nas doses fracionadas, elas terão início no próximo dia 25.

Segundo uma nota da Secretaria do Estado de Saúde do Rio de Janeiro, a decisão foi tomada em alinhamento com o Ministério da Saúde e a Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo. Com isso, a campanha terá agora 24 dias.

Em São Paulo, 54 municípios e regiões fora da área de risco receberão as doses fracionadas. Já no Rio de Janeiro, 15 cidades passarão por isso.

Além disso, o estado de SP reservará o 3 e o 17 de fevereiro para abrir postos de saúde em regime especial. O mesmo acontecerá no RJ no 27 de janeiro (quando todos os 92 municípios do estado entrarão na onda). Serão os “dias D” da campanha.

Quem deve tomar a vacina fracionada

Uma dose padrão, que tem duração garantida para o resto da vida, possui 0,5 mililitros (ml). Já a dose fracionada carrega 0,1 ml – com duração de ao menos oito anos.

Esse menor volume por injeção possibilita que mais gente se imunize sem acabar com os estoques para eventuais outros surtos. A estratégia é preconizada pela Organização Mundial da Saúde para impedir a expansão da febre amarela em regiões originalmente fora da zona de risco.

Poderão tomar essa versão da vacina brasileiros com mais de 2 anos e menos de 60, desde que não tenham sido imunizados.
Já a dose normal será administrada a crianças de 9 meses a 2 anos, gestantes, idosos e outros indivíduos com condições especiais (como as com imunidade baixa por algum motivo).

No entanto, esses grupos específicos merecem uma avaliação de um médico antes de irem para o posto! Atualmente, muitas pessoas sem indicação estão tomando as injeções, o que abre margem para riscos desnecessários e desabastece os estoques de vacina em um momento de surto.
Viajantes internacionais (com comprovação da viagem) também receberão a dose plena.