Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

As dores que os brasileiros mais sentem

Incômodos na cabeça foram os campeões de queixas em um levantamento nacional, seguida pela dor nas costas

Por Thiago Nepomuceno - Atualizado em 20 Maio 2020, 17h29 - Publicado em 24 out 2016, 16h48

Se você sofre frequentemente com alguma dor no corpo, saiba que está longe, mas muito longe, de ser o único. Uma pesquisa realizada pelo Ibope Conecta, em parceria com a marca Advil, revela que 78% dos 1 500 respondentes disseram ter sofrido pelo menos um episódio de dor de cabeça nos últimos três meses. Além disso, 63% relatam dor nas costas e 61%, incômodos musculares.

Segundo o estudo, o nervosismo parece ser o principal fator que desencadeia a cefaleia, enquanto a encrenca nas costas estaria mais relacionada à má postura. Em um comunicado, o reumatologista Silvio Figueira Antonio afirma: “Quando estamos estressados, nosso organismo libera substâncias que aumentam a sensibilidade à dor”. Fora que, diante de um esgotamento físico e mental, acabamos descuidando da alimentação e do sono, outros fatores que contribuem para o aparecimento e a piora das dores.

Leia também: A dor de cabeça em crianças e adolescentes

4 dicas para evitar a dor de cabeça 

1 – Não abuse de remédios: o uso inadequado de analgésicos aumenta em 19 vezes o risco de a dor episódica virar crônica. Tomar algum medicamento dessa classe em mais de dois dias por semana já representa perigo.

2 – Perca peso: ter um índice de massa corporal (IMC) superior a 30, quando o recomendado seria ficar abaixo de 25, é outro gatilho da doença. Porém, ainda não está explicada a relação entre obesidade e cefaleia.

3 – Investigue seu ronco: a sinfonia noturna chega a ser duas vezes mais frequente nas pessoas que sofrem com a enxaqueca todos os dias. Visite um médico para tratar a apneia do sono e a barulheira.

4 – Maneire no café: tomar duas xícaras da bebida por dia faria bem à cabeça. A cafeína tem ação analgésica e, não à toa, a substância está presente em alguns remédios. Porém, o exagero nos cafezinhos traz efeito rebote.

Continua após a publicidade
Publicidade