saudeLOGO Created with Sketch.

Adultos também têm que tomar vacinas

Não é só na infância ou na maturidade que precisamos delas. Entenda por que a imunização nessa fase é fundamental

A Semana Mundial da Imunização, que vai do dia 24 ao 30 de abril, é uma iniciativa da Organização Mundial da Saúde (OMS) que serve de lembrete para a turma que ignora o papel das vacinas na vida adulta. “O Brasil vai muito bem em estrutura vacinal quando se fala nas crianças, mas em adultos é diferente. Existe uma lacuna grande entre o que é oferecido e o que é feito de fato”, analisa a infectologista Rosana Richtmann, do Hospital e Maternidade Santa Joana, em São Paulo.

“É importante que o adulto entenda que a vacinação não protege apenas a si mesmo. A coqueluche, por exemplo, mata principalmente bebês de até três meses, mas quem transmite são as pessoas mais velhas”, esclarece a médica Isabella Ballalai, presidente da Sociedade Brasileira de Imunização (SBin).

Rosana destaca a importância da vacina contra a hepatite B, que deve ser tomada em três doses no esquema 0 – 1 – 6 meses, como aponta o calendário de vacinação da SBin. “Ela está disponível para toda a população gratuitamente na rede pública, e, além de proteger contra a hepatite B, resguarda o fígado contra o câncer”, explica a especialista.

A prevenção contra o tétano e a difteria, fornecida pela vacina dT, também está à disposição dos adultos nos postos de saúde. “A imunização, nesse caso, deve ser renovada de dez em dez anos, sendo que geralmente as pessoas tomam a última dose aos 5 anos de idade”, comenta Rosana. Para as gestantes é recomendada a dTpa, que inclui também a coqueluche.

 

 

No início de 2017, o Ministério da Saúde anunciou algumas mudanças no calendário de vacinação. Uma delas se refere à tríplice viral, que protege contra sarampo, caxumba e rubéola. Antes, os adultos recebiam a segunda dose até os 19 anos de idade ou, se não haviam tomado na infância, a primeira dos 20 aos 49 anos. Agora, a segunda dose pode ser dada até os 29 anos e a primeira dos 30 aos 49. A medida leva em consideração surtos de caxumba que ocorreram no Brasil nos últimos anos.

Outro ponto é que existem grupos de adultos com necessidades especiais em termos de imunização. Pessoas com asma, por exemplo, devem se vacinar contra a pneumonia. Da mesma forma, diabéticos, imunodeficientes, pessoas em tratamento contra o câncer, que removeram ou baço ou com outras disfunções são candidatas a imunizantes específicos, pois o calendário pode variar.

Os portadores de doenças crônicas não transmissíveis (problemas cardíacos, diabetes…) estão inclusos no público-alvo da Campanha Nacional de Vacinação Contra a Influenza, que vai até o dia 26 de maio. Outros grupos que podem se vacinar gratuitamente contra a gripe são:

  • Profissionais de saúde
  • Povos indígenas
  • Gestantes
  • Mulheres até 45 dias após o parto
  • Pessoas privadas de liberdade e funcionários do sistema prisional
  • Professores da rede pública e privada

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s