Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Mais exercícios, menos idas ao hospital

Uma vida ativa afasta problemas que exigem internações frequentes ou prolongadas

Por Theo Ruprecht - Atualizado em 16 jul 2020, 21h35 - Publicado em 21 jul 2020, 09h00

Fala-se tanto dos benefícios dos esportes que o título parece óbvio. Mas uma pesquisa da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, trouxe números que provam o grau de influência do sedentarismo na taxa de internações.

De acordo com ela, um indivíduo minimamente ativo tem um risco 27% menor de visitar o pronto-socorro mais de sete vezes ou de ficar ao menos 20 dias hospitalizado por ano. Isso em comparação com alguém parado — foram 25 639 voluntários de 40 a 79 anos acompanhados.

“Pequenos aumentos na quantidade de atividade física feita pela população podem reduzir a sobrecarga dos sistemas de saúde”, diz o matemático Robert Luben, autor do artigo.

Economia de dinheiro

O mesmo levantamento estima que, para cada britânico que começa a se exercitar, a rede pública de saúde pouparia 247 libras por ano. Isso equivaleria a 1 655 reais, de acordo com a cotação de 29 de junho. Claro que não é tão simples transpor esse número pra cá, mas a medida ajudaria o SUS a gastar menos com doenças crônicas.

Continua após a publicidade
Ilustração:/SAÚDE é Vital

 

Publicidade