Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Nova vacina afasta a meningite

O imunizante atua contra a bactéria meningococo, que pode ser letal

Por Thaís Manarini Atualizado em 22 mar 2021, 13h32 - Publicado em 21 mar 2021, 10h31

A Anvisa acaba de aprovar uma nova vacina contra a meningite meningocócica, doença caracterizada pelo ataque da bactéria meningococo à meninge — a membrana que blinda o cérebro e a medula espinhal. O resultado é uma inflamação crítica na área, que pode inclusive ser fatal.

Produzido pela Sanofi Pasteur, o imunizante protege contra quatro versões de meningococo: A, C, W e Y. “Os três últimos representam, juntos, mais de 80% do total de sorogrupos classificados nos últimos anos no país”, informa Sheila Homsani, diretora médica do laboratório no Brasil.

“Por isso, pessoas não vacinadas de qualquer idade ficam mais vulneráveis à doença”, completa. Crianças a partir de 1 ano, adolescentes, adultos e idosos poderão se beneficiar com a imunização primária e de reforço.

A estratégia ideal

As sociedades brasileiras de imunizações e de pediatria indicam, nos calendários vacinais de crianças e adolescentes, o uso preferencial da vacina meningocócica conjugada ACWY no primeiro ano de vida — começando aos 3 meses de idade — e, depois, os reforços.

“O esquema primário varia conforme a vacina utilizada e a idade em que é iniciada”, diz Sheila. Ela lembra que o imunizante contra a doença meningocócica pode ser coadministrado com várias vacinas pediátricas de rotina. Cabe só ressaltar que ainda não há previsão de a novidade chegar ao SUS.

Continua após a publicidade

Entenda a doença

A meningite bacteriana tem evolução rápida

O causador
O meningococo é transmitido pelas secreções respiratórias a partir do contato próximo ou demorado com o portador.

O ataque
Tal bactéria pode agredir a meninge, membrana que recobre o cérebro e a medula espinhal. A situação é grave.

Os sinais
Os sintomas mais comuns do problema são febre alta, rigidez da nuca e alteração do nível de consciência.

A reação
Se desconfiar do quadro, busque ajuda. A doença pode deixar sequelas (como cegueira e surdez) e até matar.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade