Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Enxaqueca nas crianças pode ser sinal de TDAH

Risco de déficit de atenção é quase quatro vezes maior nos pequenos que sentem dores de cabeça frequentemente

Por Karolina Bergamo - Atualizado em 24 jul 2017, 09h44 - Publicado em 30 set 2016, 09h09

Seu filho tem crises de enxaqueca em mais de 14 dias num único mês? Se sim, pode ser que ele sofra de enxaqueca crônica. E, nesse caso, seu risco é 8,2 vezes maior de também ser diagnosticado com transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) em comparação a quem não sofre com o problema. Pelo menos foi o que concluiu uma pesquisa realizada pela Escola Cefaliátrica da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, em Ribeirão Preto. No estudo, foram analisados dados de 6 445 crianças de 87 cidades e 18 estados brasileiros.

Agora, o pequeno não precisa ter a enxaqueca crônica para estar em risco. Se as crises aparecerem menos de 14 dias ao mês, ele também é candidato a desenvolver o TDAH. Aí, o risco é 3,3 vezes maior em relação a quem não tem cefaleia. Ainda assim é bastante coisa — principalmente porque cerca de 10% das crianças brasileiras têm enxaqueca. E os impactos dos dois distúrbios são bem parecidos. A dor pode trazer desatenção e hiperatividade, assim como o déficit de atenção. Os experts chamam atenção para a necessidade de diagnosticar corretamente as condições, já que cada uma requer um tipo de tratamento específico.

Publicidade