Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Por que precisamos dar mais atenção aos rins

Médica alerta para o crescimento no número de casos de doença renal crônica, condição que abala a saúde e a qualidade de vida

Por Dra. Ana Beatriz Barra, nefrologista*
24 Maio 2019, 12h03

Nas últimas duas décadas, o Brasil viu o número de pessoas com doença renal crônica triplicar. Hoje mais de 120 mil cidadãos fazem diálise no país e estima-se que pelo menos 25 mil deles morram por ano. As alarmantes estatísticas brasileiras não destoam do resto do mundo. Calcula-se que 850 milhões de pessoas em todo o planeta são acometidas de algum comprometimento renal — são 2,4 milhões de óbitos por ano, o que coloca a doença renal como a 11ª causa de morte global.

Diante dessa epidemia, a sociedade médica internacional vem tentando chamar a atenção da população para essa dupla de órgãos tão vital à saúde e, no entanto, frequentemente esquecida. Além de remover resíduos e fluidos extras do sangue, os rins têm a tarefa de controlar o equilíbrio químico do corpo, ajudar no balanço da pressão arterial, conservar os ossos saudáveis e produzir o hormônio eritropoietina, necessário para manter os níveis dos glóbulos vermelhos e evitar a anemia.

O grande desafio da doença renal é que, em suas fases iniciais, ela é assintomática. Uma pessoa pode perder 90% das funções desses órgãos sem sentir nada. Somente em estágio avançado é que alguns sinais costumam aparecer, caso de inchaço, fadiga, diminuição de apetite, soluços, redução do volume de urina, entre outros.

Falamos de um problema que, a rigor, não tem cura, o que faz com que os pacientes necessitem de cuidados pela vida toda. Embora a qualidade do tratamento tenha avançado muito nos últimos anos, uma diálise individualizada e de qualidade ainda não é acessível a todos aqueles que precisam, assim como nem todos conseguem usufruir de um transplante de rim.

Continua após a publicidade

Como a prevalência da doença renal está aumentando drasticamente, o custo de tratamento dessa epidemia crescente representa enorme carga nos sistemas de saúde de todo o mundo. Na Inglaterra, o valor desembolsado no tratamento da condição já supera o custo dos cânceres de mama, pulmão, cólon e pele juntos. Na Austrália, o custo de tratar todos os casos atuais e novos até 2020 está estimado em 12 bilhões de dólares. Nos Estados Unidos, por sua vez, a despesa com o tratamento deve exceder 48 bilhões de dólares por ano.

A melhor estratégia para redução de custos e danos aos pacientes é a prevenção. O alerta é para que os países invistam mais nesse aspecto e tornem o rastreio de doenças renais um cuidado primário com a saúde, incluindo acesso a exames de sangue (creatinina) e urina (EAS). O diagnóstico e o tratamento precoces podem evitar ou retardar que as doenças renais evoluam para estágios mais graves, que necessitam de diálise ou transplante.

Pessoas com hipertensão e diabetes devem ter atenção especial, já que esses problemas são as principais causas da doença renal hoje. Portanto, proteger-se delas e manter uma dieta equilibrada e um estilo de vida saudável também é uma forma de cuidar bem dos rins.

* Dra. Ana Beatriz Barra é nefrologista, mestre pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro e gerente médica da Fresenius Medical Care

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.