Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Por que a Covid-19 também é perigosa para crianças e adolescentes

Um dos efeitos mais tristes e chocantes da pandemia de coronavírus e do isolamento é o aumento da violência e do abuso infantil. Precisamos enfrentá-lo!

Por Roberta Rivellino, presidente da Childhood Brasil*
Atualizado em 18 Maio 2020, 16h30 - Publicado em 18 Maio 2020, 09h43

A pandemia do novo coronavírus mudou a forma como vivemos em todo o mundo. Um grupo em particular requer atenção especial dos adultos: as crianças e os adolescentes. Além do risco de contrair o vírus, com o isolamento social eles podem ficar mais expostos a situações de vulnerabilidade.

Segundo a Unesco, o fechamento de escolas impactou a vida de 1,3 bilhão de alunos em 186 países.

No Brasil, essa interrupção na vida cotidiana fez com que crianças e adolescentes perdessem o contato com adultos protetores. Infelizmente, a suposta segurança do lar não é garantia de proteção. Muitas crianças estão expostas ao aumento de tensões nas relações familiares em virtude, por exemplo, da crise econômica, do estresse e de um maior consumo de bebidas alcoólicas.

Dados do Disque 100, canal de denúncia do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, já revelam aumento da violência doméstica durante o período de isolamento social. Além disso, o uso em larga escala das plataformas digitais e a ampliação do tempo online também podem deixar crianças e adolescentes mais expostos a violações, como o aliciamento (contato através de meios digitais para fins sexuais), acesso a pornografia, cyberbullying, entre outros.

É fundamental que os adultos mostrem que estão presentes, conduzam conversas sem pré-julgamentos e orientem crianças e adolescentes sobre situações de risco e de proteção. O mesmo ocorre para o mundo digital: acompanhar o que meninos e meninas sob sua responsabilidade fazem online é uma estratégia de prevenção. É importante alertá-los que o que acontece no mundo real também pode acontecer no virtual e vice versa.

Falar sobre violência sexual ainda é um tabu na sociedade. Por isso, lançamos uma campanha de mobilização para o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescente e estamos apoiando outras ações de comunicação para dar ainda mais visibilidade para esse tema urgente.

campanha covid e violência em criança
Logo da campanha da Childhood Brasil contra violência e abuso infantil durante a quarentena (Foto: Childhood Brasil/SAÚDE é Vital)

Dados pré-pandemia identificaram que, a cada hora, pelo menos quatro crianças ou adolescentes são vítimas de violência sexual no Brasil. Número que choca e que ainda esconde o fato de que somente um em cada dez casos chega a ser reportado.

Continua após a publicidade

Além da prevenção e da educação, entre outras medidas protetivas, a sociedade só conseguirá combater essa violação de direitos humanos se estiver atenta ao problema.

Somente juntos poderemos acabar com esta que é uma das piores violações de direitos humanos de nossas crianças e garantir a construção de uma sociedade melhor. Por isso, se você suspeitar que uma criança ou adolescente está sendo vítima de violências, denuncie. Disque 100.

* Roberta Rivellino é presidente da Childhood Brasil

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.