Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Parto humanizado não é natureba – tem muita ciência e saúde por trás dele

O significado do parto humanizado é debatido por uma especialista, assim como técnicas que podem garantir mais segurança e menos dor na hora do nascimento

Por Ana Cristina Duarte, obstetriz*
Atualizado em 6 set 2019, 14h53 - Publicado em 31 ago 2018, 12h52

Não faz muito tempo, o parto humanizado era restrito a um pequeno grupo de pessoas que buscava, principalmente, curar as feridas abertas por partos violentos e cesarianas desnecessárias e mal indicadas. Cabe lembrar que o Brasil é um dos países campeões em números de cesarianas. Enquanto a Organização Mundial da Saúde (OMS) estabelece em até 15% a proporção recomendada desse tipo de partos, no Brasil esse percentual é de 57%. As cesarianas representam 40% dos partos realizados na rede pública de saúde. Já na rede particular, chegam a 84% dos nascimentos.

Mesmo diante de números tão alarmantes, o parto humanizado vem crescendo graças ao ativismo de centenas de pessoas pelo Brasil, à ampliação da discussão sobre os direitos reprodutivos das mulheres, ao respeito ao momento do nascimento e ao desenvolvimento de programas de saúde que prezam a medicina baseada em evidências. Porém, isso não basta. Ainda existe, entre muitos, preconceito em relação à humanização do parto, o que muitas vezes acontece pela completa falta de entendimento sobre o tema.

O termo parto humanizado vem sendo usado ao longo dos últimos anos para indicar um processo, que idealmente se inicia durante o pré-natal, em que a gestação e o parto em si são encarados pela mulher e pela equipe de saúde como um evento natural, fisiológico e benéfico (quando, é claro, não há patologias associadas). Ele não é, portanto, sinônimo de parto na água ou de cócoras. E tampouco deve ser estereotipado como um processo “natureba” ou que use quaisquer outros termos pejorativos.

O parto humanizado é o atendimento dado às mulheres, respeitando seu corpo e seus desejos com o olhar para a medicina baseada em evidências. Isso é muito importante!

Estamos falando de uma prática médica que se baseia na aplicação dos métodos científicos, para que os profissionais façam o uso consciencioso, explícito e judicioso da melhor evidência atual quando decidem em seu trabalho de cuidado individual dos pacientes. Ou seja, o parto humanizado prioriza a transparência e a igualdade na relação médico-paciente e tende a deixar a mulher mais confortável e feliz com o processo de gestar e parir.

Novidades no parto humanizado

Neste ano, acontece o V SIAPARTO (Simpósio Internacional de Assistência ao Parto). O evento traz dois tópicos indispensáveis para quem quer fazer atendimentos de boa qualidade.

O primeiro envolve a técnica corporal Spinning Babies, que contribui para resoluções de situações difíceis durante o trabalho de parto, desenvolvida pela parteira norte americana Gail Tully. Ela e sua equipe vão dar palestras para capacitar profissionais de saúde e de atenção ao parto no método.

Em resumo, ele ajuda a abrir a pelve da gestante para que o bebê possa se encaixar e rotacionar corretamente, permitindo que o momento do nascimento seja mais rápido e prazeroso. A técnica Spinning Babies reduz, muito, os níveis de dor.

Um segundo tema importantíssimo atende pelo nome de “Paciência Ativa”. A ideia é que os profissionais que assistem ao parto consigam respeitar sua evolução natural e agir, proativamente, apenas quando necessário.

Além disso, a oficina “Hot Topics em Amamentação” trará assuntos difíceis e pouco trabalhados no ambiente do manejo e incentivo ao aleitamento materno. Serão eles: avaliação do frênulo lingual do bebê e possibilidades de intervenção para evitar problemas durante a amamentação, hipogalactia (a baixa produção de leite, que acomete cada vez mais mulheres), como conduzir e amamentação após a volta ao trabalho.

Continua após a publicidade

Pensa que acabou? Tem mais. As palestras sobre mindfulness na gestação ajudarão gestantes, médicos, enfermeiras obstetras e doulas a vivenciar e fornecer uma ferramenta poderosa na construção de uma atenção plena no momento do parto, questionando a cultura do medo por meio do estudo da neurociência.

Todos esses assuntos se entrelaçam pelos caminhos das melhores práticas médicas, pelo respeito à saúde e ao protagonismo do binômio mãe-bebê e, felizmente, chegam a um número cada vez maior de profissionais de saúde que vem, diariamente, buscando mudanças na prática da clínica médica.

*Ana Cristina Duarte, brasileira, obstetriz e idealizadora do SIAPARTO (Simpósio Internacional de Assistência ao Parto)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.