Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

O que fazer em 2024 para preservar a saúde mental dos funcionários?

Iniciativas pontuais não dão conta da complexidade que é cuidar da saúde mental no trabalho. Especialista conta como abordar isso de forma estruturada

Por Fátima Macedo, psicóloga*
31 jan 2024, 18h25

Este ano que já começou com tudo exigirá das empresas muita atenção com a saúde mental de suas pessoas. Além de estarmos passando por um momento delicado (com desafios da macroeconomia global, questões climáticas, guerras e outras coisas que afligem as pessoas), o tema do bem-estar dos trabalhadores sofre com estigma e preconceito.

Ampliar o entendimento das causas de adoecimento mental ajudará as empresas a terem uma atuação mais ampla na prevenção e no cuidado. Não podemos considerar que somente palestras, meditação, férias ilimitadas, horários flexíveis, ambientes pet-friendly, entre outros benefícios, cumprirão a difícil missão de garantir que as pessoas não adoeçam emocionalmente por causa do trabalho.

Os fatores de risco relacionados ao trabalho são responsáveis pelo chamado estresse ocupacional, que, quando mal gerenciado, pode levar a um quadro de burnout. É preciso ter um olhar cuidadoso sobre o ambiente de trabalho, a segurança psicológica, as lideranças e a carga de trabalho, entre outros aspectos.

Tornou-se mandatório preservar a saúde mental dos funcionários; assim, o tema é estratégico para o negócio e precisa estar na pauta de conselhos e lideranças em geral.

Continua após a publicidade

+ Leia também: “5 das 10 causas que mais afastam do trabalho são doenças mentais”

Na prática, o que fazer?

Primeiro, é importante saber como está a saúde mental dos funcionários e sua relação com o trabalho. Isso envolve começar com um bom mapeamento da saúde mental e dos estressores – os fatores de risco relacionados ao trabalho.

É preciso coragem e confiança para perguntar: como o ambiente de trabalho pode estar contribuindo para o adoecimento? Isso dará uma visão ampla das necessidades e dados mais fiéis à realidade e possíveis causas de adoecimento.

Continua após a publicidade

Identifique também os fatores de proteção para que possam ser reforçados!

Avalie se existe segurança psicológica na empresa, que, segundo a pesquisadora Amy Edmondson, é a crença de que o local de trabalho é seguro para riscos interpessoais, com abertura para dar ideias, manifestar dúvidas e preocupações, além de assumir erros e pedir ajuda.

+ Leia também: O movimento pela semana de quatro dias de trabalho

Casos graves precisam de apoio imediato, evitando assim afastamentos e situações mais complexas, como ideação suicida. Mas lembre-se: as pessoas só pedem ajuda quando confiam e se sentem seguras.

A partir do mapeamento, estabeleça um plano de ação com base nas prioridades identificadas, contemplando todos os cenários: indivíduo, organização e ambiente externo.

Tenha um cronograma anual de atividades psicoeducativas que promovam o autoconhecimento e o autocuidado, fatores essenciais na prevenção do adoecimento mental.

Continua após a publicidade

+ Leia também: Precisamos falar de saúde mental no trabalho

Já o treinamento das lideranças deve contemplar aspectos do que, na Mental Clean, consultoria em saúde mental no trabalho, denominamos de os “5 comos”:

  1. Como identificar, em si e no outro, sinais e sintomas de questões ligadas ao adoecimento mental
  2. Como abordar
  3. Como encaminhar
  4. Como acompanhar
  5. Como prevenir o adoecimento mental

Também vale incluir a gestão da saúde mental dos funcionários nos exames periódicos de todas as pessoas, com atenção especial aos fatores de risco.

Continua após a publicidade

Para ser inclusiva, a saúde mental no trabalho precisa ter ações direcionadas a grupos específicos, como os de causas afirmativas. E também adotar uma política de cuidado para os neurodiversos que possuem necessidades específicas.

O ideal é que as ações acima estejam dentro de um programa estruturado de saúde mental no trabalho, com atuação nos três níveis de intervenção: organização, indivíduo e ambiente. O foco central é na prevenção (diminuição da incidência e de novos casos), e não só com atuação no tratamento.

A saúde mental deve fazer parte da cultura da empresa, e não ser apenas mais um benefício.

Continua após a publicidade

*Fátima Macedo é CEO da Mental Clean. Especialista em psicologia da saúde ocupacional e terapia cognitivo-comportamental, é membro fundadora do SAMPO – Ambulatório de Saúde Mental do Trabalhador – do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo e membro do Grupo Mulheres do Brasil.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.