Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

O que está por trás do mau hálito?

Origem do problema pode ser multifatorial. E nem sempre a escovação e o uso de enxaguantes são o suficiente para eliminá-lo

Por Bruna Conde, cirurgiã-dentista* 5 nov 2021, 14h25

A halitose, popularmente conhecida como mau hálito, acomete cerca de 40% da população, segundo estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS). Falamos de uma situação que, mesmo com escovação, enxaguantes bucais, chicletes ou balas, resiste a ir embora. E que compromete bastante a vida de quem sofre com ela, provocando timidez, vergonha, problemas de relacionamento, entre outros desequilíbrios emocionais.

A grande questão que envolve o mau hálito crônico é que ele não só não some como pode piorar se não for tratado corretamente. Sua origem é multifatorial e, em 90% dos casos, está na cavidade bucal. Entre os motivos, estão a má higienização dos dentes (ou de próteses e implantes), gengivite e periodontite, cáries já instaladas, baixa ingestão de água e produção de saliva etc.

Sabemos que dietas restritivas e o uso de alguns medicamentos (caso dos anticoncepcionais) podem deixar o hálito com um cheiro de acetona entre algumas pessoas, assim como há relatos de alterações no período da menstruação, devido às oscilações hormonais.

Há também o bafo relacionado à alimentação, que pode ser temporário e ocorrer após a ingestão de algumas comidas e temperos, como alho e cebola. Quem fica mais de quatro horas em jejum também tende a sentir um odor diferente saindo da boca. E pessoas que bebem pouca água e estão com baixa produção de saliva costumam ter maior formação de saburra, aquela placa esbranquiçada na língua que leva ao mau hálito.

+ LEIA TAMBÉM: O que é gengivite? Saiba como prevenir e tratar

Há, ainda, uma situação mais incomum, a pseudohalitose. Aqui, a pessoa afirma ter mau hálito, mas isso não é detectado em testes. Uma espécie de ilusão psicológica.

Ao redor de 9% dos casos de halitose estão associados a uma profusão de distúrbios não restritos à boca. Entram na conta problemas respiratórios e na garganta, como sinusite e amigdalite. Disfunções hormonais como diabetes. Doenças do aparelho digestivo, como refluxo e úlcera duodenal. E mesmo o mau funcionamento do fígado.

Continua após a publicidade

Na pandemia, o uso da máscara contra a Covid-19 fez mais gente sentir de forma clara o mau hálito, já que os gases expirados ficam presos e em contato com o nariz. Vale ressaltar, contudo, que a pessoa pode estar com halitose e, mesmo de máscara, não sentir nada errado, o que acontece devido à fadiga olfatória, quando o indivíduo se acostuma com o próprio cheiro.

Nada disso significa que se deve deixar a máscara de lado ou tentar esconder o bafo por meio dela. É preciso, na verdade, procurar um dentista capacitado em halitose. Ele vai examinar as queixas e os hábitos do paciente e utilizar aparelhos modernos que auxiliam a detectar e identificar os gases da boca. Tudo isso para fazer o diagnóstico correto.

O tratamento passa por uma orientação na higiene bucal, com creme dental específico, uso de fio dental, escova e limpador de língua para evitar o acúmulo de bactérias e restos alimentares na cavidade bucal. Passa por ajustes na rotina como a quantidade ideal de ingestão de água por dia de acordo com o peso do paciente. E envolve a remoção da saburra lingual, da placa bacteriana, do tártaro, de cáries ou cáseos amigdalianos (formações esbranquiçadas e malcheirosas na garganta).

Dependendo do caso, podemos recorrer a tecnologias como laserterapia e terapia fotodinâmica e partir para uma abordagem multidisciplinar, que contemple, além do dentista, médicos (otorrino, gastroenterologista…), psicólogo, entre outros profissionais.

E é possível prevenir a halitose? A prevenção passa por evitar aquelas causas citadas, mudança de hábitos, uma boa higiene bucal e o check-up médico e odontológico. Lembre-se: ninguém precisa conviver (e sofrer) com o mau hálito.

* Bruna Conde é cirurgiã-dentista, pós-graduada em periodontia, cirurgia plástica periodontal e disfunção temporomandibular. É membro da Associação Brasileira de Halitose (ABHA) e da Associação Brasileira de Medicina do Sono (ABMS)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)