Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Ejaculação feminina: mito ou verdade?

A ejaculação feminina, muitas vezes confundida com o chamado squirting, desperta polêmica. Uma especialista aborda o assunto e a busca por prazer no sexo

Por Cristiane Schneckenberg, ginecologista*
Atualizado em 29 jan 2020, 17h20 - Publicado em 5 dez 2018, 16h17

A ejaculação feminina sempre foi alvo de controvérsias na sociedade… e no mundo científico. Os estudos mais recentes comprovam sua existência, porém indicam que somente em torno de 2% das mulheres vão apresentá-la. Estamos falando da emissão de quantidade variável de líquido durante a fase mais avançada da excitação no sexo ou junto ao orgasmo.

Veja: nem a composição desse líquido está bem definida. Evidências de análise bioquímica e acompanhamento com ultrassom da presença ou não de urina na bexiga, antes e depois do evento, apontam que algumas mulheres podem eliminar xixi no momento do orgasmo.

Já outros experimentos encontraram resquícios de líquido prostático nessa emissão. Conclusão: algumas mulheres podem ter resquícios de glândulas prostáticas, de onde sairia, também, parte desse fluido ou mesmo todo ele.

Também não há uma uniformidade nas definições. Pode-se considerar como ejaculação feminina a liberação de um fluido escasso, espesso e esbranquiçado. Outra situação é a ejaculação feminina conhecida como “squirting”, em que há liberação de grande quantidade de líquido.

Como as investigações são feitas avaliando o comportamento de um número reduzido de mulheres selecionadas, grupos de profissionais questionam os métodos de pesquisa. Alguns seguem declarando não haver prova real da ejaculação feminina.

Continua após a publicidade

Existindo ou não, a ejaculação feminina é mais um elemento da ainda não totalmente esclarecida resposta sexual feminina. Cada mulher é única e cada andamento de relação sexual pode ter um desfecho onde satisfação e orgasmo nem sempre coexistem.

Fato certo é que o orgasmo da mulher é algo sensorial, captado e vivenciado no cérebro. Ele depende de um estímulo adequado, que se aplique em lugar e de forma adequada, ou pode, raramente, ser desencadeado até mesmo por pensamentos e fantasias.

Além disso, sabemos que não há somente um tipo de orgasmo. As reações físicas que acompanham o orgasmo são variáveis e podem ter traços inéditos ou inclusive duvidosos, como a ejaculação feminina.

Continua após a publicidade

O desafio é desapegar de tantas “novidades” que são inseridas na sexualidade feminina. Ou nós conheceremos mais o nosso corpo ou estaremos condenadas a sair por aí procurando por pontos nebulosos que surgem a cada dia (ponto G, A, Z) e buscando treinamentos para ejacular, como se isso fosse nos fazer mais mulher ou trazer mais prazer. Não vai.

O desafio é dominar a si mesma, conhecendo o próprio corpo e seus desejos. Transponha limites íntimos aonde nenhum ponto é necessário para demarcar território.

Enquanto a ejaculação feminina é motivo de especulações, vamos seguir com foco na satisfação. Investir na qualidade da parceria e na entrega é o melhor caminho para o orgasmo dos sonhos, com ou sem ejaculação, mas sem abrir mão da emoção.

*Cristiane Schneckenberg é ginecologista e autora do livro Um Espelho Para Vênus (clique para comprar)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.