Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

Dor, artrose, fratura… Doenças reumatológicas limitam a vida da mulher

Problemas que atingem os ossos e as articulações costumam ser mais frequentes entre as mulheres. Médica traz um panorama a respeito

Por Vera Szejnfeld, reumatologista* 26 mar 2022, 12h12

Dizia o folclorista cearense Leonardo Mota que “depois dos 40 anos, ninguém dispensa o ‘ai’ ao levantar-se, nem o ‘ui’ ao sentar-se”. Mas essas queixas, aparentemente triviais, não devem ser banalizadas, pois podem espelhar uma série de doenças reumáticas que afetam o dia a dia das mulheres.

Os problemas reumatológicos chegaram a ser considerados raros nas décadas passadas e, hoje, são reconhecidamente uma das causas mais importantes de adoecimento e perda da qualidade de vida na população adulta.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC) estima que aproximadamente 25% dos americanos tenham doenças dessa natureza – a osteoartrite (artrose) é a mais comum, seguida de gota e fibromialgia.

As condições autoimunes, como a artrite reumatoide, são menos frequentes, mas, ainda assim, acometem até 1% de toda a população.

Mais prevalente e um tanto quanto preocupante é a osteoporose. Calcula-se que uma em cada quatro mulheres com mais de 40 anos sofrerá uma fratura óssea (fêmur, antebraço, coluna…) em razão da doença – e um em cada seis homens apresentará uma fratura à medida que envelhece.

Compartilhe essa matéria via:

Interessantemente, apesar de essas doenças afetarem ambos os sexos, as pesquisas demonstram que as mulheres, de um modo geral, são as mais comprometidas. Segundo a Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR), os problemas reumatológicos fazem parte da vida de 6% da nossa população. Deste número, o público feminino corresponde a 60% dos casos.

Há, no entanto, algumas doenças com incidência bem superior no sexo feminino e que exigem um diagnóstico diferencial. É importante conhecê-las uma vez que seus sintomas são sobreponíveis e geram confusão.

Uma delas é a fibromialgia, abordada recentemente neste espaço de VEJA SAÚDE. É uma síndrome que se caracteriza por dor muscular generalizada e crônica, dor à palpação da musculatura, alterações do sono, cansaço e problemas com o humor, concentração e a memória. Atinge entre 2 e 3% dos brasileiros, sobretudo mulheres entre 30 e 55 anos.

Outra é a osteoartrite, também conhecida como artrose e caracterizada pelo desgaste da cartilagem das articulações e alterações ósseas, caso dos “bicos de papagaio”. Pode atingir mãos, joelhos, quadris, coluna cervical e lombar. A osteoartrite de joelho, uma das mais comuns, afeta duas vezes mais mulheres, com pico aos 50 anos de idade.

Continua após a publicidade

+ Leia também: Violência contra a mulher: sofrimento silencioso

E tem a já citada osteoporose, marcada por perda e enfraquecimento ósseo e maior risco de fraturas. É um problema de saúde pública: 10 milhões de brasileiros convivem com ele e a maioria ignora esse fato, já que é uma doença silenciosa e traiçoeira.

Quando ocorrem as primeiras fraturas, já houve perda de 30 a 40% da massa óssea e os recursos terapêuticos são mais limitados. Pesquisas apontam que, a partir dos 50 anos, 30% das mulheres irão apresentar uma fratura por osteoporose durante a vida.

Todas essas condições estão no dia a dia do reumatologista, mas podíamos nos lembrar de muitas outras, como artrite reumatoide, tendinite, bursite e a lombalgia aguda ou crônica, esta presente em 90% da população em algum momento da vida. Quem na vida não teve pelo menos uma vez dor nas costas?

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

E qual o impacto das doenças reumáticas na vida das mulheres, muitas vezes submetidas à chamada dupla jornada de trabalho? De um modo geral, elas comprometem o estado físico e trazem consequências emocionais graves, gerando inclusive reflexos sociais e econômicos.

Falamos de condições que, progressivamente, impedem as pacientes de se locomover, se vestir e desempenhar suas atividades rotineiras. Daí a importância do acompanhamento médico e de um plano de tratamento.

Voltando ao início deste texto, podemos dizer com confiança que, nos dias de hoje, os “ais” e “uis” podem ser mais precocemente diagnosticados e tratados com o avanço da medicina e da tecnologia.

É uma notícia e tanto, se pensarmos que, com esses recursos, diminuímos o sofrimento e melhoramos a qualidade de vida de muitas mulheres.

* Vera Szejnfeld é professora adjunta da Disciplina de Reumatologia da Unifesp e membro da Comissão Científica da Sociedade Paulista de Reumatologia

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês