Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Como manter a saúde mental e cognitiva com o envelhecimento

Cuidar das relações sociais é uma das principais chaves para garantir o equilíbrio das funções cerebrais

Por Desirée Cassado, psicóloga*
21 abr 2023, 09h13

Envelhecimento não é sinônimo de doença. Mas, para garantir que possamos desfrutar da vida em sua plenitude em todas as fases, é importante cuidar da saúde mental e cognitiva.

Muito já se sabe sobre a importância do estilo de vida para a saúde em geral. Isso inclui dieta equilibrada, corpo em movimento, sono adequado e pouco consumo de substâncias como o álcool e o tabaco.

Estudos também mostram que a prática regular de leitura e de jogos mentais, além do aprendizado de novas habilidades, pode ter efeito protetor das funções cognitivas.

Entretanto, pouco se fala do papel das relações sociais nessa equação. Estudos recentes afirmam que a solidão é um dos principais riscos para o declínio cognitivo.

+ Leia também: Por que o efeito do álcool é pior em mulheres, jovens e idosos

Continua após a publicidade

É claro que é positivo ser capaz de ficar apenas com a nossa própria companhia, de praticar o que chamamos de solitude.

Mas a falta de conexão com alguém tem efeitos negativos significativos na saúde física e mental de pessoas de todas as idades, afetando impiedosamente os mais velhos.

Hoje, sabemos que a solidão está associada a um risco aumentado de demência, depressão, ansiedade, doenças cardiovasculares, hipertensão, diabetes e abuso de substâncias perigosas.

A solidão, aparentemente inofensiva, está também ligada a um maior risco de mortalidade em idosos, com danos semelhantes aos causados pela obesidade, pelo sedentarismo e pelo tabagismo.

Continua após a publicidade

Rede de apoio faz bem

Por outro lado, os relacionamentos sociais significativos proporcionam estímulo cognitivo, emocional e social, bem como envolvem oportunidades para se engajar em atividades físicas e mentais.

Uma conexão verdadeira também fornece senso de propósito e sentido à vida, o que certamente ajuda a preservar a função cognitiva.

Agora, para cultivar relacionamentos sociais significativos, é importante ter habilidades de inteligência emocional.

Isso significa ser capaz de comunicar com precisão as suas necessidades, conhecer e gerenciar as próprias emoções de forma saudável, estar aberto e curioso a novas relações, ter empatia e ser sensível às demandas do outro.

Continua após a publicidade

+ Leia também: Solidão aumenta o risco de insuficiência cardíaca, diz estudo

E, à medida que envelhecemos, podemos precisar adaptar nossas habilidades de inteligência emocional para nos adequarmos às mudanças em nossas vidas, como a aposentadoria ou a perda de entes queridos.

Ainda assim, nossas habilidades socioemocionais podem seguir sendo aprimoradas em todas as fases da vida.

Aqui estão algumas sugestões para manter a saúde mental e cognitiva em todas as fases da vida:

Continua após a publicidade

● Mantenha contato com amigos, vizinhos e familiares: envie mensagens, planeje um café, façam programas juntos;
● Seja proativo no cuidado com o outro e ofereça companhia para aqueles que pareçam estar na solidão;
● Participe de grupos de pessoas que tenham interesse em comum, seja algo relacionado a teatro, viagens, leitura, dança, aprendizado de idiomas ou outra atividade qualquer;
● Exercite a sua inteligência emocional no dia a dia: observe e analise o seu comportamento, acolha o outro com empatia, pratique a escuta ativa e busque a melhor forma de gerenciar conflitos.
● Caso esteja se sentindo sem opções para lidar com a solidão, busque ajuda especializada com organizações e profissionais que oferecem suporte emocional e conexões sociais para pessoas de todas as idades.

+ Leia também: Contar com um bom ouvinte traz benefícios à saúde do cérebro

Apesar dos muitos desafios do envelhecer, a idade não é um fator determinante isolado para o declínio cognitivo.

Portanto, não espere mais para investir na sua inteligência emocional e em relações sociais importantes.

Continua após a publicidade

Uma vida plena e significativa está à nossa espera, a qualquer momento.

*Desirée Cassado é psicóloga, especialista em Terapia Comportamental pela Universidade de São Paulo (USP), mestre em Psicologia Experimental pela USP e professora na The School of Life Brasil

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.