Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Como levar as vacinas aos afetados pelas enchentes no Rio Grande do Sul

A aplicação dos imunizantes é essencial para evitar surtos de doenças e sobrecarga nos hospitais locais

Por Fábio Argenta, cardiologista*
8 jun 2024, 10h45

O Rio Grande do Sul vive um momento crítico. Além de toda a destruição, as enchentes que devastaram várias regiões trouxeram um grande desafio de saúde pública.

Por isso, o estado está investindo em campanhas emergenciais de vacinação para atender à população vulnerável e assim tentar prevenir epidemias que poderiam sobrecarregar ainda mais os hospitais locais.

As inundações não são apenas uma ameaça direta à vida e aos bens materiais, elas criam um ambiente propício para o surgimento de doenças infecciosas. A água parada, que demora para escoar, a falta de saneamento básico e as condições muitas vezes insalubres dos abrigos temporários são um terreno fértil para leptospirose, hepatite A, tétano, febre tifoide, diarreias e dengue.

Segundo informações do Ministério da Saúde, após as enchentes, os casos de leptospirose cresceram em torno de 40% devido a contaminação da água.

+ Leia também: Água contaminada de enchentes causa doenças sérias, mas há alternativas

Continua após a publicidade

Além disso, o deslocamento forçado de comunidades inteiras aumenta o risco de propagação de males como a gripe e o sarampo. Considerando esse cenário, a vacinação se apresenta como uma medida vital para prevenir uma catástrofe sanitária ainda maior.

O Rio Grande do Sul, recebeu, desde o início das enchentes, mais de 1,5 milhão de doses de imunizantes contra sete enfermidades diferentes, mas é preciso muito mais para que a cobertura seja eficaz.

A logística para levar as vacinas para as regiões afetadas é, muitas vezes, complexa. Será preciso contar com o apoio de defesa civil, bombeiros e organizações de saúde pública local, e, além disso, estabelecer parcerias com entidades não governamentais para garantir a eficácia do recebimento e aplicação dos imunizantes nos habitantes.

Que vacinas quem teve contato com água de enchente deve tomar?

As pessoas que tiveram contato com a água e solo contaminados devem tomar as doses contra:

Continua após a publicidade
  • A hepatite A, doença viral que afeta o fígado;
  • Tétano, causado por uma toxina produzida pela bactéria Clostridium tetani, que pode entrar no corpo por meio de cortes ou feridas expostas;
  • Febre tifoide, causada pela bactéria Salmonella typhi e se espalha por meio de alimentos e água contaminados.

Além disso, a vacinação da população afetada deve ser integrada a um pacote de assistência mais amplo, que inclua a distribuição de kits de higiene, purificadores de água e campanhas de orientação sobre prevenção de doenças são medidas importantes para evitar o risco de surtos.

* Fábio Argenta, cardiologista e diretor médico da Saúde Livre Vacinas

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.