Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

O que é o sarampo?

O vírus, considerado um dos mais contagiosos, tinha sido erradicado do Brasil, mas voltou com tudo

Por Chloé Pinheiro, Estúdio coral, Laura Luduvig e Rodrigo Damati (infográfico)
Atualizado em 28 set 2023, 14h31 - Publicado em 28 set 2023, 14h26

Entre 2018 e 2021, mais de 40 mil casos de sarampo foram diagnosticados no Brasil. A prevenção, porém, é simples: depende de uma picada.

Conheça em detalhes a doença e os motivos para evitá-la.

Transmissão

Causada pelo morbilivírus, a doença é transmitida por secreções e é altamente contagiosa. Se dez pessoas não imunizadas tiverem contato com o vírus, nove serão infectadas.

Na maioria dos casos, o quadro é brando, mas, por atingir muita gente de uma vez, a porcentagem de episódios graves também aumenta.

Continua após a publicidade

Sintomas

O vírus passa a se replicar nas mucosas que invadiu e, depois, se dissemina pelo corpo, via corrente sanguínea. Depois de um tempo de incubação, que pode chegar a duas semanas, começam os sintomas.

Os mais clássicos são as pequenas erupções vermelhas na pele, febre alta, mal-estar e dor de cabeça.

vacina-sarampo-info
Clique para ampliar (Infográfico: Estúdio Coral e Rodrigo Damati/SAÚDE é Vital)

Repercussão

O patógeno pode semear problemas em outros cantos. No sistema respiratório, chega a levar a tosse com catarro; nos olhos, dá conjuntivite e incha as pálpebras.

Em pessoas que já tiveram sarampo ou foram vacinadas há muito tempo, o quadro tende a ser menos característico, com poucas manchas e menos desconfortos.

Complicação

Para bebês e pessoas não vacinadas, o sarampo é bem mais perigoso.

Continua após a publicidade

Ele chega a atingir o sistema nervoso central, provocar pneumonia, causar sequelas como a cegueira, além de levar à morte. A doença também é conhecida por “zerar” as defesas do corpo contra outras infecções.

A imunossupressão pode durar meses.

A vacina do sarampo

vacina-sarampo
Clique para ampliar (Infográfico: Estúdio Coral e Rodrigo Damati/SAÚDE é Vital)

Na raiz do movimento antivacina

Nos anos 1990, o médico Andrew Wakefield começou a espalhar, usando um estudo fraudulento como prova, que a vacina tríplice viral — que protege contra sarampo, caxumba e rubéola — causava autismo.

A pesquisa foi depois retirada do ar e Wakefield perdeu sua licença médica, mas o boato infundado não morreu. Pelo contrário, até hoje tem gente que acredita nisso. Vale reforçar: não é verdade!

Sarampo no Brasil e no mundo

dados-sobre-sarampo
Clique para ampliar (Infográfico: Estúdio Coral e Rodrigo Damati/SAÚDE é Vital)

Fonte: Renato Kfouri, infectologista pediátrico e diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm)

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.