Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Cirurgia mais moderna facilita tratamento de doença arterial em idosos

Técnica recentemente incorporada no rol de procedimentos cobertos pelos planos de saúde acelera recuperação e reduz risco de complicações

Por Fernanda Marinho Mangione, cardiologista*
Atualizado em 18 Maio 2021, 14h48 - Publicado em 15 Maio 2021, 12h28

O funcionamento correto do coração depende de quatro válvulas cardíacas, que se abrem e fecham constantemente para coordenar a passagem do sangue pelo órgão. Entre elas, está a válvula aórtica. Em razão do próprio envelhecimento, essa estrutura pode sofrer uma obstrução ou estreitamento que dificulta a circulação, quadro chamado de estenose aórtica.

A estenose aórtica é uma doença que acomete 5% da população com idade acima de 75 anos e sua prevalência aumenta com a idade. Entre os sintomas da doença, estão cansaço, desmaios ou dor no peito. Sem o devido tratamento, 50% dos pacientes diagnosticados com a condição e sintomáticos morrem em um ano.

A única solução definitiva é realizar a substituição da válvula aórtica por uma prótese. Isso pode ser feito com a chamada cirurgia de “peito aberto”, em que o médico precisa abrir a caixa torácica do paciente, ou com um método minimamente invasivo, que agora foi incorporado no rol de procedimentos da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

Trata-se do TAVI – da sigla em inglês Transcatheter Aortic Valve Implantation –, técnica minimamente invasiva que realiza o implante por meio de um cateter introduzido na região da virilha, que segue até o coração, restabelecendo o fluxo sanguíneo. O procedimento é feito sem cortes, com uso de anestesia local e sedação leve.

Continua após a publicidade

Muitos pacientes, inclusive, recebem alta após um dia, enquanto os que fazem a cirurgia aberta têm um tempo médio de internação de uma semana. O TAVI surgiu como uma excelente opção de tratamento e mudou paradigmas da estenose aórtica, tendo resultados equivalentes ou até superiores à cirurgia e podendo ser realizado mesmo em pacientes muito idosos e com risco cirúrgico proibitivo.

Até recentemente, os pacientes de planos de saúde tinham de recorrer à judicialização para serem submetidos à TAVI. Com a incorporação, o cenário muda. Essa conquista foi fruto do trabalho da SBHCI (Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista), que luta por esta incorporação desde 2013.

Continua após a publicidade

Com a evolução das próteses (válvulas) e maior experiência dos operadores, houve melhora expressiva dos resultados da TAVI com redução da mortalidade por causas cardíacas e maior segurança do procedimento.

Há inúmeros estudos internacionais que provam os benefícios da técnica. No Brasil, realizamos um estudo no Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo, que apenas ajudou a comprovar a evolução do TAVI. Verificamos redução na mortalidade cardíaca em 4 vezes entre o início da experiência do procedimento e os dias atuais, com baixo risco de complicações e bom desfecho de segurança.

Enfim, não há como negar a importância desta incorporação, pois o TAVI veio para revolucionar o tratamento da estenose aórtica.

Continua após a publicidade

* Fernanda Marinho Mangione é cardiologista, diretora de Avaliação de Tecnologia em Saúde da SBHCI (Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista) e médica do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo e Hospital Alemão Oswaldo Cruz

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.