Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Cafeína na gestação: afinal, grávida pode ou não tomar café?

O consumo da substância pode não ser tão seguro assim nessa fase. Entenda quais os possíveis efeitos para a mãe e para o feto

Por Natalia Barros, nutricionista*
24 set 2023, 11h47

O consumo de cafeína durante a gravidez é um tema amplamente discutido e causa preocupação em muitas mulheres.

A substância estimulante é encontrada não apenas no café, mas também em chás, refrigerantes e até mesmo no chocolate. Embora seja consumida globalmente, seu uso durante a gestação pode apresentar riscos.

A cafeína tem a capacidade de atravessar a placenta, afetando tanto a mãe quanto o feto. Na gestação, aumenta o tempo necessário para eliminar metade da cafeína no organismo, chamado de meia-vida, variando entre 9 e 11 horas no terceiro trimestre.

Conforme as diretrizes da Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA) e do Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido (NHS), a ingestão de até 200 mg de cafeína por dia pela mãe parece ser seguro para o feto.

+ Leia também: Cuidado com a cafeína durante a gravidez

No entanto, existem evidências de que doses inferiores a 200 mg/dia podem causar complicações durante a gravidez e para o feto.
A utilização da substância está ligada a riscos como aborto espontâneo, especialmente no primeiro trimestre, natimortos, bebês com baixo peso ao nascer ou pequenos para a idade gestacional, e ainda filhos com sobrepeso ou obesidade.

Um estudo publicado na JAMA Network em 2022 também mostrou que o consumo de cafeína pela mãe, mesmo em quantidades menores do que as 200 mg/dia recomendadas, estava associado a menor estatura da criança, começando aos 4 anos e persistindo até os 8 anos.

Continua após a publicidade

Além disso, a cafeína pode prejudicar a absorção de nutrientes como o ácido fólico, que é crucial para o desenvolvimento adequado do feto.

Outra preocupação é o impacto da cafeína no sono da gestante, tornando-o mais irregular e reduzindo a qualidade do descanso.

Uma boa qualidade de sono é fundamental para a saúde da mãe e do bebê, e a falta de sono durante a gravidez pode estar relacionada a problemas como hipertensão gestacional e parto prematuro.

Mecanismo de ação da cafeína na gravidez

Ela age como um estimulante do sistema nervoso central, bloqueando os receptores de adenosina, neurotransmissor que promove relaxamento e sonolência.

Isso resulta em aumento da atividade cerebral, frequência cardíaca elevada e, possivelmente, aumento da pressão arterial.

É importante destacar que cada organismo reage de maneira diferente à cafeína, e algumas mulheres podem ser mais sensíveis aos seus efeitos do que outras. É crucial estar ciente dos potenciais riscos associados ao consumo de cafeína nesse período.

Continua após a publicidade

Diante dessas considerações, a orientação geral é evitar o consumo da substância antes da concepção e durante a gravidez. Reduzir sua ingestão já é uma medida sensata para garantir a saúde tanto da mãe quanto do bebê.

Existem alternativas à cafeína, como optar por café descafeinado e substituir o café por chás liberados para a gestante, como chá de casca de laranja, chá de casca de abacaxi e chá de gengibre.

* Natalia Barros, é nutricionista, mestre em Ciências pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e fundadora da NB Clinic.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.