Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Atraso na reabilitação prejudica a saúde de quem teve um AVC

Estudo brasileiro revela demora na adoção de medidas para lidar com as sequelas. Reabilitação inclui de fisioterapia a aplicação de toxina botulínica

Por Marcelo Riberto e Regina Fornari Chueire, fisiatras*
Atualizado em 3 set 2021, 16h45 - Publicado em 2 set 2021, 10h12

Existem dois tipos de acidente vascular cerebral, o AVC. O mais incidente é o isquêmico, quando ocorre uma obstrução no vaso sanguíneo que irriga o cérebro. Já o AVC hemorrágico, menos comum, se dá após o rompimento de uma artéria ali. Apesar de o problema ser a segunda maior causa de mortes no mundo e a principal razão de incapacidade, ainda precisamos ampliar a conscientização e a capacitação da sociedade para lidar com ele.

O manejo do AVC no Brasil envolve desafios que começam na demora do reconhecimento precoce dos seus sintomas e atraso no encaminhamento para atendimento médico. O acesso a tratamentos de ponta no SUS e mesmo em muitos segmentos da rede privada é escasso, ocorrendo falhas na condução da reabilitação no pós-AVC.

Além das medidas de prevenção de recorrência de um novo AVC, uma série de terapias no contexto do atendimento multidisciplinar contribuem para a saúde, a qualidade de vida e a reinserção do paciente na sociedade.

Os tratamentos no pós-AVC variam de acordo com os tipos e a gravidade das sequelas, mas, em geral, a reabilitação consiste em sessões de fisioterapia, fonoaudiologia, terapia ocupacional, uso de medicamentos e a aplicação de toxina botulínica.

Estima-se que tenhamos 1 milhão de pacientes com espasticidade pós-AVC no Brasil, uma consequência que acomete 30% das pessoas após um derrame. Trata-se de um tipo de rigidez muscular que leva à postura inadequada dos membros (mãos fechadas, pés em garra…), causa dor, dificuldade para executar atividades corriqueiras (caminhar, comer…) e, consequentemente, reduz a qualidade de vida, aumenta a sobrecarga do cuidador e eleva o risco de quedas — sem contar os impactos econômicos e financeiros.

Continua após a publicidade

LEIA TAMBÉM: Comida para proteger o cérebro

Recentemente, realizamos um estudo multicêntrico e observacional envolvendo 11 centros de reabilitação do país (públicos e privados) com 204 voluntários, o BCause. O objetivo era avaliar a taxa de resposta dos pacientes com espasticidade crônica ao tratamento com toxina botulínica A. Descobrimos dados preocupantes nesse contexto: cerca de 45% dos pacientes recebem o encaminhamento para reabilitação tardiamente. O tempo mediano de espera para o agendamento de uma consulta é de nove meses.

Isso acontece por uma série de fatores, como a distância e a dificuldade de transporte até o centro de reabilitação, o tempo despendido para chegar ao centro e problemas para agendar a consulta, entre outras questões. Além disso, infelizmente, pacientes, familiares e profissionais de saúde desconhecem ou subestimam os efeitos da reabilitação no pós-AVC.

Por vezes, o encaminhamento para a reabilitação não acontece porque os profissionais que atendem o paciente na hora do evento agudo não sabem da existência e das possibilidades de encaminhamento para os centros de reabilitação, tanto na rede privada como na rede pública.

Continua após a publicidade

De acordo com o Ministério da Saúde, são mais de 400 mil casos por ano e 100 mil óbitos no Brasil, sendo que, a cada cinco minutos, ocorre uma morte decorrente de AVC. Por isso, precisamos repensar a forma com que encaramos a doença e adotar medidas mais consistentes de prevenção, controle e tratamento.

* Marcelo Riberto é médico fisiatra e professor da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP); Regina Fornari Chueire é médica fisiatra da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.