Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

Aleitamento materno pode fragmentar o sono do bebê?

Muitas vezes, ele não é o culpado pelos despertares noturnos. E deixar de amamentar ou partir para fórmulas não é indicado para melhorar as noites de sono

Por Ana Jannuzzi, médica* 10 Maio 2022, 09h02

As noites mal dormidas nos primeiros meses de vida do bebê estão no topo das reclamações dos pais de primeira viagem. Mas é necessário esclarecer que o aleitamento materno pode não ser o motivo por trás do sono fragmentado.

Inclusive, a amamentação de forma exclusiva até os seis meses de vida e, de maneira complementar à alimentação, até os 2 anos de idade é uma recomendação da comunidade médica e dos órgãos reguladores de saúde, como o Ministério da Saúde e a Organização Mundial da Saúde (OMS).

No entanto, quando o assunto é a relação direta entre a amamentação e o sono infantil, existe um déficit de pesquisas e consensos a respeito. E sobram conselhos sem base científica.

O primeiro ponto a explicar é que nem sempre os despertares noturnos do bebê estão relacionados à fome. Muitas famílias acabam introduzindo a fórmula por acreditarem que o uso delas ajudará a criança a dormir a noite toda. Mas isso não é verdade.

+ LEIA TAMBÉM: Estudo avalia aprendizado de bebês na pandemia

Isso porque existem muitos outros motivos pelos quais o bebê acorda na madrugada. Inclusive, não há evidências sólidas de que as fórmulas diminuam os despertares noturnos. Poucos estudos mostraram essa associação, e outros encontraram resultados discrepantes.

Há, porém, evidências suficientes para não introduzirmos o uso de fórmulas, salvo em situações realmente necessárias. A introdução do produto sem indicação pediátrica aumenta até o risco de desmame precoce.

O que podemos afirmar é que o sono dos bebês e das crianças é naturalmente fragmentado, quando comparado ao sono dos adultos. Há uma explicação biológica para isso: eles ainda não desenvolveram a sensação de segurança e a capacidade de se protegerem sozinhos. Sendo assim, a presença de um adulto de confiança por perto se torna essencial.

Os bebês se ressentem dessa distância despertando, chorando até que o adulto apareça no quarto, aproximando-se da mãe na cama… Todos esses comportamentos fazem parte de um desenvolvimento normal. Quando a criança crescer, vai adquirir mecanismos de autoproteção e compreender o mundo ao seu redor e, com o tempo, os despertares ficam menos frequentes.

Continua após a publicidade

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Agora, quando o bebê desperta demais, é preciso analisar o que pode estar por trás. Seriam sonecas inadequadas para a idade ao longo do dia? Um ambiente inadequado para dormir?

São saltos de desenvolvimento, em que a criança fica mais ativa? É o nascimento dos dentes? A angústia de separação da família? Todos esses, e tantos outros, são motivos para os despertares. Então a situação pode e deve ser investigada junto ao médico.

+ LEIA TAMBÉM: 12 passos para uma introdução alimentar de sucesso

Em resumo, a amamentação noturna vai ocorrer durante os primeiros meses de vida do bebê. Contudo, o momento em que cada criança vai finalmente dormir a noite toda, sem precisar de ajuda para retomar o sono, vai variar.

Algumas crianças já dormem a noite toda com quatro meses, outras ainda acordam para mamar com um ano e quatro meses, por exemplo.

Muitas vezes, os bebês despertam durante a noite por outros motivos que não a fome, mas voltam a dormir mamando porque se sentem protegidos e a mãe e o pequeno se habituam a esse ritual. E isso não é um problema, desde que esteja funcionando para todos.

Compartilhe essa matéria via:

* Ana Jannuzzi é médica com pós-graduação em pediatria, autora do livro O Ano de Ouro (clique para comprar) e criadora de cursos online sobre saúde materno-infantil. Ministra o curso “Sono e Rotina” para famílias e a capacitação para profissionais, em parceria com a Faculdade de Brasília

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês