Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

A revolução desencadeada pela inteligência artificial na pesquisa médica

A IA chegou para ficar no meio médico. Conheça as plataformas que já estão sendo usadas para facilitar a produção científica

Por Guilherme S. Hummel, executivo*
Atualizado em 14 out 2023, 11h04 - Publicado em 14 out 2023, 10h51

Muitos devem lembrar do filme Viagem Fantástica, de 1966, sobre quatro cientistas que encolhem e utilizam um minúsculo submarino para navegar pelas artérias de um homem com um problema no cérebro.

Na época, impressionou. Hoje, seria uma ficção prosaica: uma pílula inteligente do tamanho de um mirtilo, por exemplo, já pode hoje detectar os principais elementos indicativos de uma doença intestinal.

O que impressiona mesmo hoje são as máquinas algorítmicas. Em 2023, a medicina está ganhando um impulso notável com a expansão das plataformas generativas de inteligência artificial (IA), que produzem algum tipo de conteúdo, consagradas por seus nomes comerciais (ChatGPT e Bard, por exemplo).

+ Leia também: Inteligência artificial na saúde: o Brasil na rota das pesquisas

Elas parecem ter saído do script de um “Viagem Fantástica 8.0”. Não só a pesquisa médica se beneficia, mas também o diagnóstico e a escolha de tratamentos.

Um estudo publicado este mês indagou: qual a confiabilidade das respostas do ChatGPT às consultas feitas por médicos? No trabalho, um grupo de 33 médicos de 17 especialidades gerou 284 perguntas clínicas.

A plataforma de IA gerou respostas predominantemente precisas, conforme julgado por médicos especialistas, em uma mediana de acurácia de 5,5 na escala Likert, sendo 1 completamente incorreta e 6 completamente correta.

Continua após a publicidade

Trata-se de um momento de júbilo para qualquer cientista. Não estamos falando apenas de ChatGPT ou Bard, mas de inúmeras outras plataformas específicas. O Elicit, por exemplo, é um assistente desenvolvido em linguagem natural, que permite conversas inteligentes com mais de 200 milhões de artigos acadêmicos.

Da mesma forma, a plataforma Inciteful acessa cerca de 240 milhões de pesquisas científicas, ou quase 2 bilhões de citações de várias bases de dados médicos.

+ Leia também: ChatGPT na saúde. O que nos espera?

Inúmeras outras plataformas inteligentes surgem no mercado todos os dias, conhecidas como scholarly-concierges, prometendo acelerar e muito a produção das ciências médicas.

A Powerdrill jura que é mais eficiente que o ChatGPT, além de descomplicar a tarefa de encontrar lacunas existentes na literatura científica, e a Litmaps vai além: a partir de um único artigo, gera um mapa de textos relevantes relacionados ao tema-alvo, classificando os mais citados.

Não é diferente com o AlphaFold, a plataforma de IA do Google que prevê a estrutura de proteínas, com mais de 1,2 milhão de pesquisadores de 200 países acessando sua base para visualizar milhões de estruturas moleculares.

Continua após a publicidade

Só o PubMed, a biblioteca nacional de medicina dos EUA, acumulou até agosto deste ano mais de mil publicações que citam as IAs Generativas, e vale dizer que estas surgiram ao público em novembro de 2022. Ou seja, menos de um ano se passou.

+ Leia também: Novo exame de sangue brasileiro revela resultados em até 5 minutos

Outra pesquisa, publicada em setembro e realizada pela revista Nature com 1 600 cientistas, mostrou que dois terços deles acham que as IAs proporcionam formas mais rápidas de processar dados, aceleram os cálculos ​​e poupam tempo e dinheiro.

Continua após a publicidade

A verdadeira”Viagem Fantástica” mal começou. E, como em qualquer transformação tecnológica, ela vem repleta de dúvidas, medos e desconfianças quanto a sua assertividade e uso ético.

Mas, não há muita saída: lidar com a inovação é sempre lidar com a incerteza. O que seria mais perigoso? Enfrentá-la ou represá-la? Como descreveu Brecht: “do rio que tudo arrasta, diz-se que é violento e perigoso. Mas ninguém diz serem violentas e arriscadas as margens que o comprimem”.

*Guilherme S. Hummel é mentor no eHealth Mentor Institute e coordenador científico do Hospitalar Hub.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.