Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês
O Fim das Dietas Por Blog Antonio Lancha Jr., professor da Escola de Educação Física e Esporte da USP e autor do livro O Fim das Dietas (Ed. Abril), indica como emagrecer sem cair em promessas furadas.

Uber ou chocolate: faça sua escolha

Especialistas discorre sobre as oportunidades que temos no dia de queimar calorias sem abdicar dos alimentos que amamos

Por Antonio Herbert Lancha Jr. 6 mar 2018, 12h06

Durante uma viagem com três amigos, decidimos ir até um shopping só para experimentar os chocolates artesanais de uma loja. Checamos o endereço do local, nos arrumamos e pegamos um Uber.

A visita valeu muito a pena. Tinha um chocolate melhor do que o outro. Mas e o Uber com isso? Antes de tudo, uma mera coincidência: o dinheiro gasto na viagem de carro foi exatamente o mesmo pago nos chocolates. E o que mais?

Se fôssemos a pé, o gasto energético da distância do hotel ao shopping equivaleria mais ou menos ao que consumimos de chocolate. Isso porque cada um ingeriu 50 gramas de gostosuras (300 calorias) e deixou de caminhar cinco quilômetros (o que, para um adulto de 60 quilos, se traduz em 300 calorias queimadas – mais pra baixo eu explico como fazer essa conta*).

  • Meu ponto é que temos a oportunidade de, em deslocamentos diários simples, gastar uma quantidade importante de energia. E, assim, dar mais sabor à vida.

    Costumo dizer que poucos são os casos de pessoas que engordam por comer absurdamente. É como se endividar – ninguém empobrece por gastar grandes quantias de uma vez, mas por manter a torneira gotejando dia após dia. A maioria de nós engorda por pequenos prêmios que nos damos no dia a dia.

    Continua após a publicidade

    Exemplos simples: aquele chocolatinho (diminutivo para o tamanho, não para as calorias) que vem com o café, aquele docinho que ofereceram no escritório, ou “só” aquela taça de vinho que não conseguimos recusar após a insistência do amigo durante um jantar qualquer. Gosto muito da frase “dizer não aos outros é dizer sim para você”.

    Aprender a respeitar seus desejos e enfrentar os desafios do dia a dia na alimentação é questão de treino. Assim como também podemos nos acostumar a mexer mais o corpo, essa máquina incrível que nos permite gastar a energia que saboreamos, por exemplo, em um chocolate. Desenvolver esse equilíbrio nos fortalece.

    Não abra mão de coisas que te dão prazer – mas busque o prazer conscientemente. Se você realmente quer comer um chocolate no lanchinho da tarde, vá em frente. Mas escolha um que você goste mesmo (não aceite imitações). A semelhança entre um chocolate bom e outro ruim são as calorias.

    E, claro, vá a pé até a lojinha. Eu e meus amigos perdemos essa oportunidade de gastar calorias naquela ida ao shopping. Mas, em minha defesa, já tinha corrido uns bons quilômetros – e pelo menos voltamos caminhando para o hotel depois que eu contei tudo isso a eles.

    Uber: só para maiores de 18… quilômetros! Rs

    *Para saber aproximadamente quantas calorias você gasta caminhando ou correndo por determinado percurso, faça a seguinte conta: multiplique seu peso (em quilos) pela distância (em quilômetros). Simples assim!

    Continua após a publicidade
    Publicidade