Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço coordenado pelo jornalista Diogo Sponchiato, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

Você tem dificuldade em desapegar de objetos?

Há pessoas que guardam utensílios e outras que sofrem de transtorno de acumulação. Consultora explica o que está envolvido nesse comportamento

Por Carolina Ferraz, consultora* 16 out 2021, 12h06

“Me mataram em vida.” Foi o que minha avó conseguiu falar quando chegou em casa após ter sido internada por um AVC. No período de hospital, um dos familiares retirou vários objetos da casa dela e descartou-os.

Desapegar de objetos de alguém sem autorização é algo agressivo e desrespeitoso. Com idosos é ainda pior. Objetos guardam memórias importantes que nos protegem de perdas e lutos e nos defendem daquela percepção de que a força e a vitalidade estão se esvaindo.

É evidente que a quantidade de objetos guardados tende a ser maior com o avanço da idade. Da infância à maturidade, podemos manter em casa figurinhas, cartões, discos, revistas, camisetas… Quanto mais tempo vivemos, mais memórias colecionamos.

Mas imagine que, numa determinada idade, o mundo que evoca suas lembranças começa a lhe escapar. Pessoas e atividades que acompanharam você por anos não estão mais lá e, diante da apreensão pelo futuro, a nostalgia invade sua mente e o estimula a manter objetos que, ainda que não sejam mais usados, contam histórias para você.

+ LEIA TAMBÉM: A fonte da longevidade

O fato é que nossa sociedade não sabe lidar direito com a velhice, menos ainda com a combinação entre ela e os distúrbios mentais. Um deles é o transtorno de acumulação, que afeta, segundo estimativas, 4% da população mundial.

Apesar de pesquisas apontarem que os sintomas começam mais cedo, entre os 20 e os 30 anos, é na velhice que ficam mais intensos. Os idosos representam cerca de 80% dos diagnósticos da condição, que atinge homens e mulheres a despeito da classe social e pode ser mais evidente a cada década vivida.

Continua após a publicidade

Investigações sobre o transtorno de acumulação começaram nos anos 1970, mas só em 2013 ele ganhou uma classificação independente nos manuais de psiquiatria. As causas são variadas: além de inclinação genética, envolvem traumas, lutos, isolamento, mudanças abruptas e déficits no processamento de informação. É comum o problema ocorrer em paralelo a outros distúrbios, como depressão e ansiedade generalizada.

O transtorno se caracteriza pela dificuldade de se desfazer dos pertences, a despeito do seu valor utilitário ou emocional, e há um sofrimento e uma angústia só em pensar no descarte. Isso faz com que os itens se avolumem, chegando a tomar todos os espaços da casa em situações mais extremas.

+ Assine a VEJA SAÚDE a partir de R$ 12,90 mensais

Nesse contexto, tudo que a pessoa ganha ou compra pode vir junto de um sentimento de exasperação pela possível necessidade de descarte. E assim a sobrevivência emocional fica cada vez mais condicionada aos objetos. No percurso, o contato social e a higiene podem ser comprometidos, e o indivíduo se isola. Mais de 60% das pessoas diagnosticadas com o transtorno de acumulação moram sozinhas.

Como lidar com isso? Quando se suspeita e se confirma o quadro, o apoio de psicólogos e psiquiatras é fundamental para elevar o senso de confiança e autoestima a fim de que a pessoa não precise de objetos nos quais se apoiar. Aos poucos, o sujeito se sente mais seguro e consegue seguir em frente sem eles.

Desfazer-se das “coisas” dos outros não é, nem de perto, a solução para uma situação desse tipo. Não se trata de fazer uma limpeza geral na casa. A solução está na construção de laços fortes, ajuda profissional e acolhimento, uma fórmula poderosa para que a gente se sinta viva, amada e feliz até o último dia de nossas vidas.

* Carolina Ferraz é fundadora da consultoria Onde Eu Deixei, pesquisadora na área de bagunça, pós-graduada em semiótica psicanalítica e certificada pelo método Marie Kondo

Continua após a publicidade

Publicidade