saudeLOGO Created with Sketch.

Em busca dos sons perdidos

Ela passou duas décadas sem ouvir nada, mas não parou com a vida... Aqui ela compartilha sua história

Um dia, acordei e percebi que a casa estava muito silenciosa. Não seria nada demais, não fosse o fato de que eu acordava todas as manhãs com o barulho da construção de um edifício em frente do apartamento em que morava. Achei esse silêncio estranho e fiz o que qualquer criança de 9 anos faria: chamei a minha mãe. Mas ela não respondeu…

Ou melhor, respondeu. Eu é que não pude ouvir. Naquela noite, tinha perdido a audição durante o sono. Provavelmente uma sequela de caxumba ou meningite. Meu caso não tem um diagnóstico preciso.

Até conseguir ouvir novamente, foram mais de duas décadas de intervalo. Nesse tempo, minha comunicação passou a ser por meio da leitura labial e minha fala adquiriu o sotaque característico de quem tem pouco ou nenhum feedback auditivo. Mas tive uma vida plena: estudei, comecei a trabalhar, viajei, casei… Só que tudo era feito em silêncio, sem a trilha sonora maravilhosa que a vida nos agracia todos os dias, em todos os instantes.

Veja também

Em 2009, criei um blog sobre surdez. Não porque achasse a minha vida tão interessante. Na verdade, ela era bem comum, mas começava a ficar cansada de responder sempre às mesmas perguntas estereotipadas em relação à surdez. Não, nem toda pessoa com deficiência auditiva nasce surda ou perde audição com a idade. Não, nem todos falam com a língua de sinais. Sim, um surdo pode casar com alguém que ouve. Sim, a gente pode dirigir, ir para a balada, estudar idiomas…

Compartilhar essas experiências e informações gerou um resultado muito maior do que eu poderia imaginar. Ajudou a transformar minha história. Enquanto eu escrevia decidi fazer o procedimento para o implante coclear – uma tecnologia que recria a audição de forma artificial e é indicada a surdos severos. Meus relatos inspiraram pessoas a seguir esse mesmo caminho e a recuperar a capacidade auditiva. Recebi convites para dar palestras, escrevi um livro autobiográfico…

Mais recentemente, veio a ideia de uma segunda obra, esta destinada às crianças. E Não É Que Eu Ouvi? conta as aventuras de Lalá, uma menininha que (também) acorda sem ouvir e vive uma jornada em busca dos sons que tanto amava. Uma história toda ilustrada que ajuda os pequenos (e seus pais) a compreenderem a surdez de forma leve e poética. E toca ainda nesse passe de mágica que é voltar a ouvir o mundo.

Lak Lobato é escritora e comunicadora, autora do blog Desculpe, Não Ouvi! e do livro infantil recém-lançado E Não É Que Eu Ouvi?

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s