Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Roncar piora a pressão?

A chamada apneia obstrutiva do sono (caracterizada por roncos) tem tudo a ver com aperto nos vasos

Por Redação Saúde é Vital Atualizado em 22 out 2016, 18h46 - Publicado em 1 ago 2016, 15h44

Se a barulheira típica do ronco gera interrupções do sono e, portanto, noites maldormidas, as artérias pagam a conta. Mas, quando a incômoda sinfonia é provocada por um distúrbio chamado apneia do sono, a encrenca é ainda maior. Porque então os ruídos são entrecortados por engasgadas e breves paradas respiratórias – e elas acontecem sem o sujeito perceber.

Com essas interrupções, entra menos ar e, consequentemente, diminui a concentração de oxigênio no sangue. Preocupado, o sistema nervoso fica superativado, acelera o ritmo dos batimentos cardíacos e promove a contração dos vasos. A pressão, você já adivinhou, se eleva.

Esse suplício noturno gera danos permanentes às artérias, que ficam cada vez mais rígidas. Daí por que as pessoas com apneia têm mais hipertensão, insuficiência cardíaca, AVC… Para piorar, cansaço, sonolência e irritação são companheiros de todas as horas de quem ronca e se engasga à noite, porque um sono assim está longe de ser reparador. Mais um elemento para a pressão não baixar durante o dia.

Leia também: Dá pra controlar a pressão alta só com mudanças de hábito?

Para se livrar de tantos aborrecimentos, o primeiro passo é diagnosticar o problema. Para isso, existe um exame, a polissonografia, feito em clínicas ou hospitais, no qual o sujeito passa a noite conectado a sensores. Uma vez confirmada a chateação, e dependendo de sua gravidade, o médico indica as opções de tratamento. Há casos em que é preciso apelar para o CPAP, um aparelho que libera o fluxo às vias aéreas. Outros pedem saída cirúrgica para corrigir um defeito anatômico que prejudica a passagem do ar. Mas, como o ronco e a apneia estão ligados à obesidade, algumas vezes as noites ficam mais tranquilas só de eliminar uns quilos extras.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês