Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Colonoscopia – o exame que detecta o câncer de intestino

Colonoscopia é um exame que ajuda na descoberta do câncer de intestino. Veja quando ela deve ser feita e quais os exames complementares

Por Redação M de Mulher
Atualizado em 25 abr 2023, 13h38 - Publicado em 17 Maio 2011, 22h00

A colonoscopia é responsável por detectar o aparecimento de câncer no intestino. Também onhecido como uma endoscopia feita pelo ânus, esse exame flagra inflamações na parede intestinal, além de verrugas – os pólipos -, que podem ser pré-cancerosas, e tumores propriamente ditos. Muito melhor do que a cirurgia que abre o abdômen até atingir o intestino grosso – usada até a década de 1970, quando a colonoscopia chegou ao Brasil.

Quando fazer

“O exame é obrigatório para quem tem mais de 50 anos, e a partir dos 30 anos para pessoas com casos de câncer na família”, avisa o coloproctologista João Calache Neto, do Hospital Sírio-Libanês, de São Paulo. Sangue nas fezes e dor contínua no lado esquerdo também merecem essa investigação.

Já a frequência, “depende dos achados de quando ele é feito pela primeira vez”, o coloproctologista Pedro Basílio,  da regional carioca da Sociedade Brasileira de Cirurgiões Oncológicos. Se ela não encontrar nada, a sugestão oficial – pelo menos até o momento – é que seja repetida a cada dez anos. Muitos médicos, porém, preferem indicar o repeteco a cada cinco. É mais seguro.

“A evolução do pólipo para o câncer pode demorar até uma década”, explica o oncologista Rafael Kaliks, do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo. Quando a metamorfose ocorre, ela é traiçoeira. Dores, diarreias alternadas com constipações e sangramentos costumam aparecer na fase avançada da doença. Então, o tratamento é drástico.

Continua após a publicidade

Entenda o exame

1. Com o paciente sedado e deitado, o médico introduz um tubo de 1 metro de comprimento pelo ânus. Enquanto percorre as cinco primeiras curvas do cólon, uma minicâmera na ponteira transmite as imagens, aumentadas até 150 vezes, para a tela de um computador.

2. Se flagrar alterações na mucosa, como uma inflamação, o médico ativa uma pinça que retira um fragmento da lesão para biópsia.

Continua após a publicidade

3. Mas, ao esbarrar em lesões malignas, o próprio colonoscópio pode retirá-las de maneira segura. Tudo isso costuma durar cerca de 20 minutos.

Colonoscopia - o exame que detecta o câncer de intestinoFoto: Dreamstime

Outros exames

Há mais testes, complementares, que ajudam a detectar problemas no intestino.

Continua após a publicidade

· Sangue oculto nas fezes
No laboratório, procuram-se rastros de sangue nas fezes, o que denunciaria lesões. Mas o exame não localiza de onde vem o sangramento. Às vezes a origem está no estômago, por exemplo. E aprenda: pólipos intestinais não sangram. Portanto, se há sangue proveniente do intestino, ou ele vem de simples hemorroidas ou, se é tumor, o câncer já avançou.

· Retosigmodoscopia
É parecida com a colonoscopia, mas só visualiza lesões no reto e no lado esquerdo do cólon. A grande crítica é deixar à mercê da sorte o lado direito.

· Colonoscopia virtual
O método faz uma tomografia do intestino sem introduzir um tubo no ânus para saber se há pólipos. Mas é preciso insuflar ar por ali para obter as imagens, o que pode doer. Vale a pena? Há quem diga que não, até porque pequenas lesões escapam ao exame.

Continua após a publicidade

· DNA nas fezes
Essa análise molecular ainda não está disponível no país. Ela confere a presença de DNA de células cancerosas que teriam descamado do cólon. O senão é o preço altíssimo.

· Hemograma simples
Ele não flagra o câncer em si. Mas muitos tumores, especialmente no lado direito do intestino, sangram a ponto de provocar anemia. Ela é tão forte e repentina que o paciente sente até taquicardia. Daí o recado: quem está com anemia tem um bom pretexto para fazer uma colonoscopia.

Colonoscopia - o exame que detecta o câncer de intestinoComer alimentos ricos em fibras é essencial para manter o intestino em funcionamento e evitar o surgimento do câncer
Foto: Dreamstime

A influência dos hábitos

Conheça as atitudes que podem contribuir para o aparecimento do câncer de intestino e as que ajudam a afastá-lo.

Para o bem
Uma dieta rica em fibras (grãos, frutas, legumes e verduras) não só faz o intestino trabalhar direito como ainda o preserva contra tumores ao arrastar mais depressa substâncias cujo contato é tóxico. O exercício físico também é bem-vindo.

Para o mal
Há evidências de que um cardápio gorduroso, abarrotado de carnes vermelhas, frituras e embutidos, favoreça o desenvolvimento da doença. Provavelmente porque contém substâncias capazes de irritar as paredes intestinais. O cigarro é outro inimigo do intestino – o que pouca gente desconfia. Mais uma vez, a razão está nos componentes tóxicos, que prejudicam as células do órgão.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.