Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Vegetarianismo faz bem? Depende do que você põe no lugar da carne

Batata frita, refrigerante... Não é porque o alimento vem do reino vegetal que faz bem, como mostra um novo estudo

Por Guilherme Eler (da Superinteressante) Atualizado em 14 fev 2020, 18h25 - Publicado em 9 ago 2017, 09h12

Dá para ser vegetariano ou vegano vivendo só de batata frita – e é exatamente aí que mora o perigo. Cientistas da Universidade de Harvard descobriram que, por mais que você se esforce em ficar longe de qualquer coisa de origem animal, uma dieta vegana, por si só, não lhe tornará mais saudável.

Segundo seu novo estudo, o problema está no que vaio ao prato em vez da carne. Os grandes vilões são os alimentos superprocessados, açucarados demais ou cheios de gordura – eles podem não conter carne, mas entopem suas artérias do mesmo jeito.

Quando comparados a pessoas que evitavam os industrializados – mesmo as que comiam carne –, veganos e vegetarianos sem muitos critérios alimentares desenvolveram mais doenças do coração e tiveram aumentado o risco de morrer durante o período do estudo.

A pesquisa considerou três bancos de dados sobre saúde pública, que analisaram voluntários entre 1984 e 2012. No total, participaram mais de 210 mil norte-americanos com idade entre 25 e 75 anos e livres de doenças cardiovasculares ou histórico de problemas como diabetes. Eles voltavam a cada dois ou quatro anos para fazer uma avaliação e listar os alimentos que integravam suas dietas – além de informar com que quantidade e frequência comiam cada um.

Os relatos serviram como base para a criação de três grupos alimentares. No primeiro, estavam os que consumiam grandes quantidades de frutas e legumes, mas não abriam mão de até de seis porções de carne, leite ou derivados.

Continua após a publicidade

Já o segundo grupo incluía também doses fartas de elementos como grãos, nozes e castanhas – além de menos carne, gordura e açúcares. O último, por sua vez, era daqueles que não comiam carne, mas mandavam para dentro o que bem entendiam – sem olhar a procedência e muito menos as calorias.

Ao longo dos mais de 20 anos de pesquisa, 8 631 pessoas sofreram algum problema cardíaco. Mesmo que você não conheça muito sobre alimentação saudável, pode prever que o segundo grupo se manteve com o coração mais preservado. Eles tiveram 25% menos chance de doenças cardiovasculares, se comparados ao grupo que comia muitos vegetais e não controlava as quantidades de açúcar, gordura e carne.

Mas a principal surpresa foi em relação àqueles que se privavam de alimentos de origem animal, porém não prestavam atenção na dieta. Nessa turma, que se esbaldava em doces e refrigerantes, a probabilidade de infarto subiu 32% em comparação ao segundo grupo.

“É possível ser vegano e consumir alimentos de origem vegetal com baixa qualidade”, explica Ambika Satija, uma das responsáveis pelo estudo. Não que se entupir de carne vermelha faça bem – longe disso. Mas o simples fato de cortá-la da dieta não livra você de qualquer problema de saúde.

Este conteúdo foi publicado originalmente na Superinteressante.com

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês