Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Ômega-3: onde encontrar além dos peixes?

Essa gordura pode trazer muitos benefícios à saúde. E atenção: via de regra dá para suprir a demanda do organismo sem suplementação

Por Dan Waitzberg e Natalia Lopes (Nutritotal)* 23 jun 2022, 16h31

Ácidos graxos ômega-3 compõem uma família de gorduras muito associadas à boa saúde. Um deles, o ALA – ácido alfa-linolênico – é essencial para nós. Ou seja, nosso corpo não é capaz de produzi-lo e, portanto, deve ser obtido por meio da dieta.

Populares na forma de cápsulas e facilmente encontradas em farmácias e lojas de produtos naturais, as gorduras ômega-3 também são achadas em peixes, como salmão e sardinha (alimentos pouco frequentes na mesa dos brasileiros), além de óleos vegetais, oleaginosas e linhaça. 

São vários os benefícios associados ao consumo adequado de ômega-3: prevenção de doenças cardiovasculares, redução de processos inflamatórios, melhora do sono… Essa gordura também tem ação importante nas funções cognitivas, na saúde ocular e na imunidade – por isso, certamente você já ouviu falar que deve consumi-los com frequência. 

A Sociedade Brasileira de Cardiologia, por exemplo, recomenda consumo de 0,5 a 2g de ômega-3 por dia, quantidade encontrada em 1 posta de salmão selvagem. 

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Preciso comer salmão todos os dias para ter ômega-3 na dieta?

Felizmente não. O salmão é um peixe pouco acessível aqui no Brasil, principalmente devido ao custo elevado. 

Além disso, a quantidade de ômega-3 presente no peixe depende da forma como foi criado: para que o salmão de cativeiro ofereça o nutriente, ele deve receber ração que contenha ômega-3.

Já o salmão selvagem, natural de regiões de águas frias como o Alasca, armazena essa gordura a partir do consumo de crustáceos, algas e fitoplâncton. No entanto, esse tipo de salmão é ainda menos disponível por aqui.

Compartilhe essa matéria via:

Sendo assim, buscar outras fontes de ômega-3 pode ser necessário para atingir as recomendações das sociedades médicas. 

Existe associação entre ômega-3 e redução de risco de desenvolver câncer. Há pouco tempo,  estudo italiano envolvendo 7000 pessoas  analisou a relação entre o consumo de peixes enlatados (atum, cavala e sardinha) com o risco de câncer colorretal. 

Continua após a publicidade

A ingestão de  peixes enlatados, que é muito mais acessível para a população, se associou com diminuição de 23% do risco de desenvolvimento desse tipo de câncer. Aliás, o resultado foi parecido com o obtido por pessoas que consumiram peixe fresco. Os pesquisadores relacionaram esse bom resultado com a presença de ômega-3, tanto no peixe em si como no azeite utilizado na conserva. 

Os peixes citados contêm EPA e DHA, tipos de ômega-3 bem absorvidos por nós. Já o azeite e outras fontes vegetais carregam o ALA, benéfico para a nossa saúde. 

O azeite possui pouco ômega-3 quando comparado a outros óleos vegetais. Uma colher de sopa de azeite tem 0,06g dessa gordura, enquanto que na mesma quantidade de óleo de canola encontramos 0,54g e no óleo de soja, 0,45g. Os dois últimos são considerados boas fontes de ALA na dieta. 

As oleaginosas podem também oferecer o nutriente. As nozes, por exemplo, possuem maior quantidade de ômega-3 que os óleos vegetais: em um punhado de aproximadamente 30g, há 2,6g dessa gordura essencial. 

Outra fonte vegetal de ômega-3 interessante é a linhaça. Ao consumir uma colher de sobremesa de semente de linhaça, conseguimos ingerir 2g de ALA. Bastante versátil, a semente de linhaça pode ser incluída em frutas, iogurtes e saladas. Para melhor aproveitamento, a linhaça pode ser consumida triturada exatamente no momento do consumo. 

+Leia também: Ômega-3 ameniza a inflamação da Covid-19?

E suplementar ômega-3, vale a pena?

Quando a alimentação é variada, existe pouca ou nenhuma necessidade de suplementação. 

E atenção! Existem dois cuidados importantes ao comprar cápsulas de ômega-3:

  1. Analise a procedência para certificar se o óleo dentro da cápsula é mesmo fonte de ômega-3
  2. A empresa produtora precisa certificar que o item é isento de metais pesados (mercúrio), que podem ser prejudiciais para nossas células. 

O melhor mesmo é comprar o suplemento apenas com indicação de um profissional da saúde, pois há ampla variedade de dosagens e quantidades diferentes de EPA e DHA, que possuem indicações específicas para algumas condições, como prevenção de doença cardiovascular ou de declínio cognitivo para idosos. 

Nossa recomendação é: busque uma alimentação variada, que inclua peixes variados na dieta e coma, com frequência, as fontes vegetais de ômega-3. 

(Este texto foi produzido pelo Nutritotal em uma parceria exclusiva com VEJA SAÚDE)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)