Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Energéticos são mais perigosos que outras bebidas cafeinadas

O excesso desse produto prejudica o coração — e não adianta botar a culpa só na cafeína

Por Vand Vieira
Atualizado em 9 fev 2018, 10h24 - Publicado em 8 Maio 2017, 19h27

Na base do exército americano onde trabalha, a farmacêutica Emily Fletcher notou que boa parte dos militares consome energéticos com frequência. De olho nisso, resolveu analisar o impacto da ingestão excessiva dessa bebida no coração. E mais: verificar se a altíssima concentração de cafeína era a única responsável por eventuais problemas.

Para a pesquisa, 18 jovens saudáveis foram recrutados e divididos em duas turmas. Os integrantes do primeiro grupo tomaram cerca de 950 mililitros (ml) do produto por dia, equivalente a 320 miligramas (mg) de cafeína e 108 gramas de açúcar. Aos demais, foi oferecida outra bebida com as mesmas 320 mg de cafeína — mas com 40 ml de suco de limão e 140 ml de xarope de cereja misturados em água com gás.

Em seguida, os voluntários passaram por um eletrocardiograma e tiveram a pressão arterial avaliada uma, duas, quatro, seis e 24 horas depois de engolirem suas respectivas doses. Não deu outra: a pressão de todo mundo subiu, mesmo permanecendo no padrão considerado seguro.

No entanto, quem ingeriu o energético apresentou um intervalo QT (tempo que o coração leva para realizar os batimentos) 10 milissegundos mais alto em comparação a outra turma. E daí? Essa diferença aumenta o risco de arritmia, por exemplo. O tempo necessário para o organismo se recuperar também foi maior no primeiro grupo.

Continua após a publicidade

Na opinião de Emily e sua equipe, o resultado da experiência mostra que outros componentes da bebida — substâncias energizantes e estimulantes como o guaraná e o ginseng — demandam maior atenção, sobretudo entre quem tem doenças cardiovasculares. A especialista ressalta que novos trabalhos precisam ser feitos, com um número maior de participantes, para confirmar essa relação. Entretanto, as evidências até o momento deixam claro que as latinhas de energético (com tudo o que carregam) devem ser incorporadas com bastante moderação no dia a dia.

Quer receber uma dose semanal de SAÚDE no seu e-mail? Então assine nossa newsletter — é grátis e fácil. Basta clicar aqui.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.