Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

As algas spirulina e chlorella são mesmo benéficas?

Em geral vendidas em cápsulas, elas realmente carregam benefícios, como o combate à anemia. Confira suas vantagens — e limitações

Por Thiago Nepomuceno
Atualizado em 17 nov 2017, 12h31 - Publicado em 16 nov 2016, 19h04

Para começo de conversa, vamos fazer uma pequena correção: apenas a chlorella é uma alga. Já a spirulina cai na categoria das cianobactérias, isto é, micro-organismos que se alimentam por meio da fotossíntese. Detalhes biológicos à parte, a dupla é geralmente consumida em formato de cápsulas, sob a promessa de trazer uma série de benefícios.

Segundo o professor da Escola de Agronomia da Universidade Federal de Goiás, o engenheiro de alimentos Gabriel Luis Castiglioni, elas carregam, sim, atributos. Ambas, por exemplo, destacam-se pela concentração de certos nutrientes, sobretudo a vitamina B12. Para quem não conhece, essa substância ajuda a manter o cérebro em pleno funcionamento e é crucial para a formação das células vermelhas do sangue — a carência dela, portanto, resulta em anemia.

A questão é que, entre os alimentos do dia a dia, a vitamina B12 só está presente em carnes, leite, queijos e ovos. Ou seja, consumir a dupla pode repor a falta desse micronutriente na turma ovolactovegetariana. “Aliás, a chlorella tem um alto conteúdo proteico de fácil absorção, o que a torna ainda mais interessante para quem não come carne”, ressalta Castiglioni.

Também é possível que a ingestão da spirulina e de sua companheira deem uma forcinha nas tentativas de emagrecimento. Isso porque as doses fartas de proteínas ajudariam a trazer uma sensação de saciedade que evita exageros à mesa. Agora, não pense que elas vencerão sozinhas a luta contra a balança. O ideal, inclusive, é recorrer a elas somente com o aval de um especialista.

Continua após a publicidade

Apesar de suas potenciais proezas, é imprudente chamá-las de superalimentos — o que vem acontecendo com frequência nos últimos tempos. “Elas não suprem a necessidade de todos os nutrientes que o corpo precisa”, atesta Castiglioni.

Como qualquer comprimido, a ingestão deve ser feita com cautela e supervisão. Embora não existam evidências de que a spirulina ou a chlorella causem reações adversas até o momento, vê-las como soluções milagrosas é uma ameaça por si só. Nem elas nem qualquer alimento vão conferir saúde sem um estilo de vida balanceado.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.