Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

6 cuidados ao pedir comida durante a pandemia

Ninguém precisa deixar de recorrer ao delivery por medo do coronavírus

Por Thaís Manarini - Atualizado em 19 Maio 2020, 11h14 - Publicado em 15 Maio 2020, 14h00

É claro que cozinhar traz vantagens em termos de equilíbrio nutricional. Ocorre que nem todo mundo tem pique ou gosta de botar a mão na massa. Aí comprar comida pronta cai como uma luva — melhor ainda se os pratos forem balanceados.

Mas, por causa da pandemia provocada pelo novo coronavírus, essa alternativa anda causando receio. Para apostar no sistema delivery com tranquilidade, o Centro de Pesquisa em Alimentos da Universidade de São Paulo (FoRC-USP) listou medidas simples (estão na imagem abaixo).

Onde mora o perigo

“O alimento em si não é o veículo mais importante para o coronavírus”, ressalta a farmacêutica-bioquímica Bernadette de Melo Franco, do FoRC. Para se multiplicar e fazer estrago, ele precisa viver dentro do nosso corpo. Por isso, é responsabilidade do ser humano não transformar a comida em foco de contaminação. Higienizar as mãos e mantê-las longe de olhos, bocas e nariz são atitudes indispensáveis.

Do pedido ao consumo

Seguindo estas táticas, a segurança alimentar está garantida:

Continua após a publicidade

1- Encomenda

O conselho é dar preferência a restaurantes e serviços de alimentação que sejam de confiança. Solicite a comida por meio de aplicativos ou contato telefônico. Evite outros tipos de intermediários nesse processo.

2- Embalagem

O FoRC informa que, até agora, sabe-se que o coronavírus sobrevive por menos tempo em superfícies de papel do que naquelas de plástico ou alumínio. Portanto, se der, escolha locais que utilizem embalagens de papelão.

Continua após a publicidade

3- Pagamento

A farmacêutica Bernadette ressalta que uma vantagem dos aplicativos é poder pagar a distância. Dessa maneira, quando a comida chegar, não é necessário encostar na maquininha de cartão ou pegar em notas e moedas.

4- Recebimento

Muitos entregadores tomam os cuidados adequados para não se contaminar, mas não há como se certificar disso. Então, o mais seguro é manter o afastamento. No caminho para casa, lembre-se de não tocar o rosto.

Continua após a publicidade

5- Manipulação

Ao entrar em casa com a encomenda, lave bem as mãos. Em seguida, limpe a embalagem como for possível. “Passe um pano umedecido com álcool”, orienta Bernadette. Antes de ir à mesa, vale higienizar as mãos de novo.

6- Refeição

Não enrole para comer (e isso não tem a ver necessariamente com o coronavírus). É que a temperatura e a exposição da comida podem favorecer a multiplicação de micro-organismos ligados a diarreia e outros problemas digestivos.

Continua após a publicidade

 

Publicidade