Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Janeiro Branco: o que não dizer para alguém com depressão

Certas frases, por mais bem intencionadas que sejam, colocam o deprimido ainda mais para baixo. Veja exemplos (e sintomas dessa doença psiquiátrica)

Por Wagner Farid Gattaz, psiquiatra*
Atualizado em 8 jan 2024, 14h34 - Publicado em 5 jan 2024, 15h50

Neste momento, 350 milhões de pessoas no mundo sofrem de depressão. E não é uma tristeza, que faz parte da vida – é a doença depressiva realmente.

Estudos científicos mostram que a depressão é uma doença do metabolismo cerebral. E como o cérebro controla a mente e o corpo, os sintomas da depressão abarcam ambas as esferas.

Sintomas mentais mais frequentes da depressão

  • Incapacidade de sentir prazer
  • Tristeza
  • Irritabilidade
  • Diminuição da concentração
  • Falhas na memória
  • Sentimentos de baixa autoestima, culpa e inferioridade

+Leia também: Vem aí o primeiro remédio contra a depressão pós-parto

Sintomas físicos mais frequentes

  • Cansaço e falta de energia
  • Insônia
  • Distúrbios do apetite
  • Diminuição da libido
  • Manifestações difusas, como palpitações e dores no peito, dores musculares, enxaquecas e distúrbios digestivos

A boa notícia é que temos bons tratamentos para essa doença. Nas últimas décadas, avanços na ciência introduziram medicamentos eficazes que, associados a uma psicoterapia comportamental, levam a uma melhora significativa para a maioria dos casos de depressão.

Mas, no meio do caminho, existe uma tendência humana de ajudar o próximo, dando para amigos e parentes com depressão conselhos bem-intencionados que, na verdade, sabotam a recuperação do deprimido.

Continua após a publicidade

+Leia também: Pneumonia por Mycoplasma pneumoniae no Brasil: o que você deve saber

Veja abaixo algumas frases comuns que não deveriam ser ditas a pessoas como depressão:

1. Você tem que reagir!

O deprimido entende: “Se todos me mandam reagir e eu não consigo, é porque de fato sou um fraco, sem força de vontade”.

Continua após a publicidade

2. Você não tem motivos para ficar assim

O deprimido entende: “É verdade. Tenho uma família maravilhosa, um bom emprego e, apesar disso, estou deprimido. Devo ser um ingrato, e deveria ser punido por tal ingratidão”.

3. Vá fazer ginástica!

O deprimido entende: “Se não consigo, então é porque sou um preguiçoso e mau caráter, é culpa minha estar assim”.

Continua após a publicidade

4. Tire umas férias

O deprimido entende: “Ninguém entende que não tenho forças para viajar, que não sinto prazer em nada”.

5. Todo mundo tem essa tristeza

Deprimido entende: “Ou ninguém entende o meu sofrimento, ou sou de fato mais fraco que os outros”.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:

Moral da história

Como dito, a depressão é uma doença de base orgânica, como o diabetes ou o hipotireoidismo. Portanto, a atitude frente ao deprimido deve ser a mesma que teríamos frente a essas enfermidades.

Pare para pensar: ninguém mandaria uma pessoa com hipotireoidismo “reagir”. Na depressão, esse tipo de conselhos reforça sentimentos de culpa e inferioridade.

Como nas outras doenças, o deprimido não precisa de “conselhos”, e sim de tratamento adequado.

Continua após a publicidade

Atenção: no dia 8 de janeiro, teremos um conteúdo sobre o que dizer para alguém com depressão.

*Wagner Farid Gattaz, head Nacional da Psiquiatria da Brazil Health e CEO da Gattaz Health & Results. É professor titular de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP, membro da Academia Brasileira de Ciências e da Academia de Ciências de Heidelberg, na Alemanha.

Este texto foi produzido em uma parceria exclusiva entre VEJA SAÚDE e Brazil Health.

 

brazil-health
(Logo: Brazil Health/Reprodução)
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.