Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Vacinação reduz pela metade o risco de covid-19 persistente, diz pesquisa

Estudo britânico mostra ainda que as duas doses de imunizantes contra o coronavírus diminuíram em 73% o risco de hospitalização

Por Alexandre Raith, da Agência Einstein* Atualizado em 14 set 2021, 10h36 - Publicado em 13 set 2021, 12h20

Um estudo realizado pela King’s College de Londres, no Reino Unido descobriu que o risco de um adulto ter covid-19 persistente — quando os sintomas perduram por mais tempo — cai pela metade com o esquema vacinal completo. Além disso, a aplicação completa das doses reduz em 73% a probabilidade de hospitalização.

Os pesquisadores analisaram os dados de 1 240 009 pessoas que tomaram a primeira dose de alguma vacina contra o coronavírus, das quais 971 504 haviam recebido também a segunda injeção. Os participantes registraram eventuais sintomas, testes e o esquema vacinal em um aplicativo que mensura os impactos da covid-19 no Reino Unido. Indivíduos não imunizados também foram acompanhados para servir como um grupo de controle.

Conclusão: o surgimento de sintomas em adultos completamente vacinados era menos frequente. Além disso, quando apareciam, esses sinais tendiam a ser mais leves e a desaparecer rapidamente. Isso significa que, mesmo se a pessoa desenvolver a covid-19 após a imunização, muito dificilmente sofrerá com suas consequências de mais longo prazo.

+ LEIA TAMBÉM: Baricitinibe: remédio pode ajudar contra casos graves de covid-19

Os resultados do estudo, publicados no período científico The Lancet Infectious Diseases, confirmam que o esquema vacinal completo aumenta a resposta imune do organismo contra o Sars-CoV-2, afastando casos graves, sintomas duradouros, hospitalizações e novos óbitos.

No entanto, o artigo inglês faz um alerta a pessoas mais sujeitas a complicações do coronavírus, como os idosos. A idade, aliada a certas condições de saúde, aumenta em até duas vezes a probabilidade de se infectar e adoecer, mesmo após a vacinação. Os pesquisadores sugerem elaborar estratégias específicas para esses públicos, entre elas uma dose de reforço e o controle da disseminação do vírus na comunidade.

*Esse texto foi originalmente publicado na Agência Einstein.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês