Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 5,90/mês

Vacina da gripe: quem deve tomar na segunda fase da campanha de 2020

Caminhoneiros, indígenas, doentes crônicos e outros grupos poderão receber a vacina da gripe a partir do dia 16 de abril

Por Da Redação - Atualizado em 18 ago 2020, 10h47 - Publicado em 15 abr 2020, 16h11

A segunda fase da Campanha Nacional de Vacinação Contra a Gripe de 2020 começa no dia 16 de abril. Se na primeira etapa, iniciada no 23 de março, só pessoas com mais de 60 anos e profissionais de saúde poderiam receber a vacina contra o vírus influenza, agora o público-alvo se estende para:

  • Caminhoneiros e profissionais de transporte coletivo e portuários
  • Indígenas
  • Doentes crônicos
  • Profissionais das forças de segurança e salvamento
  • População privada de liberdade, inclusive adolescentes
  • Funcionários do sistema prisional

São, no total, mais 15,6 milhões de brasileiros que podem se beneficiar da segunda fase da campanha. A principal mudança ficou por conta da inclusão dos caminhoneiros e profissionais de transporte coletivo e a dos povos indígenas.

Por que incluir os caminhoneiros e outros profissionais de transporte coletivo?

Isso tem a ver com o coronavírus (Sars-CoV-2). “O transporte e a entrega de cargas são serviços essenciais durante a pandemia da Covid-19. Por isso, caminhoneiros, motoristas e cobradores de transportes coletivo, além de trabalhadores portuários, se juntam ao grupo prioritário da segunda fase da campanha”, afirma o Ministério da Saúde, em comunicado.

Não é que a vacina da gripe evite o coronavírus, até porque estamos falando de problemas bem distintos. Na verdade, ao impedir o ataque do influenza, a injeção evita uma eventual infecção dupla de gripe e Sars-CoV-2, o que sobrecarregaria o sistema respiratório da pessoa.

A vacinação também ajuda a diferenciar entre gripe e a Covid-19. Ora, se o sujeito recebeu a dose, porém apresenta sintomas como tosse e falta de ar, provavelmente não é o vírus influenza que os está causando.

Por atravessar o país de cima a baixo, esse grupo pode receber o imunizante em qualquer posto público de saúde do país, independentemente de onde mora.

Continua após a publicidade

A vacina da gripe e os indígenas

Originalmente, esse grupo ficaria para a terceira fase da campanha, marcada para começar no dia 9 de maio. “Os povos indígenas tiveram sua vacinação antecipada pela vulnerabilidade para adoecimento e complicações por gripe”, diz o Ministério da Saúde.

Por que o governo não oferece a vacina para todos os grupos de uma vez? Porque seria muita gente indo aos postos de saúde ao mesmo tempo, o que pode provocar confusão e desabastecimento.

Cabe lembrar ainda que todos os brasileiros sem contraindicação — mesmo fora do público-alvo — podem adquirir uma versão da vacina contra a gripe na rede privada.

Os resultados da campanha de vacinação da gripe

Até o momento, 90,66% dos idosos receberam sua dose — são 18,9 milhões de brasileiros acima dos 60 anos já imunizados. Também tomaram a vacina na rede pública 3,8 milhões de trabalhadores da saúde (75,5% desse grupo).

A meta do governo é a de que ao menos 90% de cada público-alvo busque a sua injeção. Aliás, os mais velhos e os profissionais de saúde que seguem sem proteção contra a gripe podem ir atrás da vacina na segunda ou mesmo na terceira fase da campanha.

Até o dia 6 de abril, foram registados 853 casos de influenza, com 100 mortes.

Continua após a publicidade
Publicidade