Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Sarna humana: o que é, como identificar e prevenir?

Doença é causada por ácaro e tratamento envolve pomadas, sabonetes e reforço nas medidas de higiene

Por Priscila Carvalho, da Agência Einstein* Atualizado em 13 dez 2021, 15h58 - Publicado em 13 dez 2021, 13h29

No início de outubro, o estado de Pernambuco registrou um aumento nos casos de coceira e feridas na pele, que geraram a desconfiança de se tratar da escabiose, popularmente conhecida como sarna humana. Uma investigação da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) revelou que o verdadeiro culpado não era o ácaro causador da sarna, mas as asas de uma mariposa.

De acordo com a nota técnica divulgada pela entidade no início de dezembro, a reprodução das mariposas do gênero Hylesia é comum nesta época do ano e podem causar as dermatites vistas no Nordeste do país.

Ao se debaterem contra os focos de luz, os animais liberam “cerdas corporais minúsculas que penetram profundamente na pele humana e causam a intensa dermatite observada”, destacam os especialistas.

+ LEIA TAMBÉM: Dermatite atópica ainda gera estigmas

Ainda segundo a entidade, a hipótese de se tratar da escabiosa era “absurda”, visto que a forma de transmissão é diferente, bem como a distribuição e o aspecto das lesões cutâneas eram distintos. “Nenhum ácaro foi achado em muitas amostras de exame direto e exames histopatológicos [análise dos tecidos]”, completa a nota.

O que é a sarna?

Provocada pelo ácaro Sarcoptes scabiei variedade hominis, a sarna humana é transmitida por contato direto do indivíduo com conhecidos infectados ou roupas contaminadas, segundo explica Valéria Zanela Franzon, médica dermatologista e professora da Escola de Medicina da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR).

A fêmea do ácaro, depois que o macho morre, penetra na pele humana e cava uma espécie de túnel, onde permanece por cerca de um mês, segundo informações da SBD. Lá, deposita os ovos e as larvas se liberam, retornando à superfície.

Essa movimentação interna dos ácaros gera os sintomas, como a coceira, que aparece principalmente à noite. Outros sinais são:

• Erupções na pele que se assemelham a bolinhas;
• Inchaço;
• Crosta nas dobras, como abaixo das mamas, virilhas, dedos dos pés e mãos, e nas axilas.
• Escoriações.

Como evitar o contágio?

Para diminuir o risco de contágio, deve-se evitar ambientes insalubres, onde o ácaro possa estar presente, e garantir condições adequadas de moradia. Manter sempre uma boa higienização das mãos e do corpo também ajuda.

Continua após a publicidade

Tratamento

Pomadas ou sabonetes com formulações que sejam capazes de eliminar o ácaro e os ovos são indicadas como tratamento da escabiose humana, além das medidas de higiene, como a troca da roupa de cama a cada três dias e lavagem das roupas.

Medicamentos orais podem ser recomendados aos pacientes com uma imunidade comprometida. Em geral, o tratamento é indicado apenas às pessoas que receberem o diagnóstico da doença ou aos indivíduos que convivam na mesma casa.

“Se alguém teve contato com uma pessoa que tem sarna, é recomendado tratar. Muitas pessoas não manifestam a doença, mas carregam o ácaro na pele”, destaca Egon Luiz Rodrigues Daxbacher, coordenador do departamento de doenças infecciosas e parasitárias da SBD.

Ivermectina e sarna humana

Quando ainda se especulava se os casos identificados em Pernambuco poderiam ser escabiose humana, surgiu a dúvida: o uso sem controle da ivermectina estaria associado a um possível surto da doença?

+ LEIA TAMBÉM: Doença mão-pé-boca: o que é, diagnóstico, sintomas e tratamento

Ao longo da pandemia da Covid-19, a medicação usada contra infestações por piolho, sarna e outros parasitas também foi analisada contra o coronavírus, e a última recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) – publicada em março de 2021 – indica o não uso fora dos estudos clínicos.

Ainda assim, o consumo foi significativo. Em 2020, cerca de 56 milhões de caixas do medicamento foram vendidas. No ano anterior, em 2019, foram vendidas 7,8 milhões.

O uso excessivo poderia levar a uma resistência ao medicamento da mesma forma que se discute a resistência aos antibióticos e o surgimento das “superbactérias”. No caso, surgiriam “superparasitas”.

“O uso de outras substâncias não tem uma relação explicada, mas pode levar a uma resistência do ácaro, causando uma dificuldade no tratamento. Pode ter focos de transmissão que não conseguem ser contidos, mas não necessariamente seja a causa de uma epidemia ou surtos”, explica Egon Luiz Rodrigues Daxbacher, dermatologista.

*Esse conteúdo foi originalmente publicado na Agência Einstein.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)