Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Quando coceira e vermelhidão escondem a urticária crônica espontânea

Esse problema, que causa muita irritação na pele sem razão aparente, é comumente confundido com uma simples reação alérgica, segundo nova pesquisa

Por Maria Tereza Santos - 2 Jul 2019, 12h13

A urticária crônica espontânea, doença que atinge em torno de 1 milhão de brasileiros, provoca lesões vermelhas e com relevo na pele, além de muita coceira. Até por isso, é frequentemente confundida com diferentes tipos de alergia — inclusive pelos profissionais de saúde, segundo uma pesquisa encomendada pela farmacêutica Novartis e conduzida pelo Instituto Ipsos Brasil.

O estudo, realizado em abril de 2019 com 183 pacientes, revela que 79% deles receberam o diagnóstico errado de uma alergia comum antes de finalmente descobrirem o motivo real da coceira e da vermelhidão.

“Isso ocorre porque, infelizmente, a maioria dos colegas não conhece o mecanismo exato da urticária. Eles acham que é uma reação alérgica a alguma coisa quando, em boa parte das vezes, não é”, justifica o imunologista e alergista Luis Felipe Ensina, coordenador do Centro de Referência e Excelência em Urticária da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

O especialista conta que existem vários tipos de urticária. Há as agudas, que de fato são reações alérgicas a uma substância aplicada na pele ou a um alimento ingerido, por exemplo. Os sintomas surgem e depois somem com tratamento após no máximo umas semanas.

Continua após a publicidade

Também temos as urticárias crônicas, cujos sintomas duram mais de seis semanas. Entre elas, há as desencadeadas por estímulos físicos, como frio, calor, luz do sol…

E é possível que o quadro não possua uma causa aparente — essa é a tal urticária crônica espontânea. Para detectá-la, o médico precisa conhecer o histórico do indivíduo e realizar exames clínicos.

Independentemente da versão, as crises são caracterizadas por lesões vermelhas e elevadas na pele e muita coceira. “Cada crise aparece e desaparece em minutos ou horas sem deixar marca. Podem vir acompanhadas de inchaço na língua, nas pálpebras, nas orelhas e nas extremidades”, complementa Luis Felipe Ensina.

A vida com urticária crônica espontânea

“Esse tipo é um problema autoimune. O próprio sistema imunológico reconhece moléculas e células da pele como estranhas e as ataca. Com isso, temos a liberação da histamina, que é a substância que provoca a irritação”, esclarece o especialista.

Continua após a publicidade

A urticária crônica espontânea pode persistir de seis meses a cinco anos. Imagine como é conviver com a coceira todos os dias durante esse tempo — o cenário fica ainda mais dramático se o diagnóstico e o tratamento não forem precisos.

“Sem remediar os sintomas, a pessoa chega ao ponto de não dormir direito, nem de se concentrar no trabalho e nas atividades sociais”, alerta Ensina. Aliás, aquela pesquisa do Instituto Ipsos Brasil mostra que 80% dos entrevistados já deixaram de ir ao serviço por causa da doença.

“O aspecto das lesões interfere no bem-estar. Os portadores têm vergonha de sair de casa ou sentem medo por não saberem quando vão ter as crises”, alega o expert. Segundo o levantamento, 56% dos pacientes relataram sofrer preconceito.

“Eles acabam se isolando e desenvolvendo ansiedade ou um monte de outros problemas psicológicos”, afirma Ensina. Não à toa, 58% dos respondentes do estudo tiveram indícios de depressão ou outro transtorno mental.

Continua após a publicidade

É possível ter qualidade de vida

Quando tratada da forma correta, dá para conviver com a chateação. “Do mesmo jeito que começa, a urticária um dia vai embora. Então, o que fazemos é controlar os sintomas. Esse é objetivo do tratamento”, relata Ensina.

O imunologista explica que há uma sequência lógica de medicamentos a serem empregados para cada caso. Quando um remédio falha ou não surte o efeito desejado, é substituído por outro.

Tudo começa com os anti-histamínicos. A dose pode ser aumentada de acordo com a evolução do paciente.

Se não houver melhora, dá para recorrer a um tratamento moderno batizado de omalizumabe. É um imunobiológico que controla a doença em 85% das vezes. Quem ainda assim não observar um alívio considerável pode ser medicado com a ciclosporina (um imunossupressor).

Continua após a publicidade

“A pessoa terá uma vida absolutamente normal até que um dia não irá mais precisar dos medicamentos”, conclui o médico.

Portanto, se coceira e vermelhidão surgirem na pele — e especialmente se durarem mais de seis semanas —, procure um alergista e não deixe de relatar essa informação. Ela é crucial para o diagnóstico e o tratamento corretos.

Publicidade