Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Raiva humana: conheça os sintomas da doença fatal

Quase todos os casos são causados por mordidas de cachorro. Após um ataque, busque sempre um posto de saúde para receber a vacina antirrábica

Por Maurício Brum
Atualizado em 6 jul 2024, 10h52 - Publicado em 6 jul 2024, 08h00

Se você já foi vítima de uma mordida de cachorro, provavelmente teve que ir atrás de uma vacina antirrábica. É um daqueles casos nos quais é melhor prevenir do que remediar. Mesmo sem ter certeza se o animal estava infectado, é melhor evitar a todo o custo a transmissão da raiva humana, doença fatal após apresentar sintomas.

Cães não são os únicos reservatórios da raiva na natureza, mas a associação da doença com suas mordidas tem uma razão de ser: segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 99% dos casos de raiva humana registrados pelo mundo ocorrem em função de ataques de cachorros. Bem atrás, vêm mordidas, arranhões e lambeduras de outros animais, como morcegos, gatos ou roedores.

A vacina antirrábica é um método de prevenção seguro e efetivo contra as complicações da doença, e deve ser feita sempre que você for mordido por um animal.

O que é a raiva humana?

A raiva é uma doença viral aguda causada por um Lyssavirus. É uma zoonose, ou seja, passa de animais para seres humanos, e o método principal de contágio são as mordidas de cachorro. Por tomarem menos cuidado, crianças são particularmente suscetíveis a esse ataque, e a faixa etária entre os 5 e 14 anos costuma ser aquela que mais registra casos.

Continua após a publicidade

+Leia também: Mordida ou arranhão de gato: o que fazer se sofrer um ataque?

O vírus em si pode acometer diferentes espécies de mamíferos, que podem transmiti-la aos humanos por mordidas, arranhões ou mesmo pela alimentação. São casos extremamente raros devido à situação atípica, mas há registros de pessoas que contraíram e morreram de raiva após comer carne crua de animais infectados.

A OMS destaca ainda que, em teoria, até mesmo a transmissão direta da raiva entre seres humanos poderia ocorrer, através da saliva – mas nunca um caso desse tipo foi confirmado.

Continua após a publicidade

Quais os sintomas da raiva?

Uma vez que ela começa a apresentar sinais clínicos, a raiva humana é virtualmente fatal em 100% dos casos já registrados até hoje. Por isso a vacina é tão importante, evitando que o contágio evolua até a fase sintomática.

Caso a raiva comece a apresentar sintomas, ela pode ocorrer de duas formas:

A chamada raiva furiosa provoca hiperatividade, alucinações, problemas de coordenação motora e hidrofobia (o medo de água, inclusive de ingeri-la, a ponto de provocar espasmos involuntários na língua e garganta diante da visão do líquido). Nesse caso, a morte costuma ocorrer por parada cardiorrespiratória em poucos dias.

Continua após a publicidade

Já a raiva paralítica, que ocorre em um de cada cinco casos sintomáticos, leva a uma gradual paralisia muscular a partir do ponto da mordida. É um processo mais demorado do que a raiva furiosa, e a pessoa entra em coma antes de morrer.

A raiva humana é sempre fatal?

A raiva só é fatal quando começa a apresentar sintomas. Por isso, a vacinação é tão importante. O Brasil, por exemplo, registrou somente duas mortes por raiva em 2023.

Agora, sem o imunizante, a doença leva à morte em praticamente todos os casos. Já foram propostos modelos de tratamento, com o mais famoso deles sendo o chamado protocolo de Milwaukee – ele consiste em submeter o paciente a um coma induzido, fazendo depois o uso de medicamentos antivirais.

Continua após a publicidade

No entanto, embora haja registros de pessoas salvas com o protocolo desde sua criação em 2003, há muita controvérsia sobre sua efetividade em uma aplicação mais ampla.

Devo vacinar em quanto tempo após a mordida?

A recomendação é vacinar o quanto antes após uma situação de potencial exposição à raiva e após qualquer mordida de cachorro, mesmo sem ter certeza se o animal tinha o vírus ou não.

É um método de prevenção simples para um problema que pode matar. Após a exposição, a vacina é feita em quatro doses ao longo de 28 dias.

Continua após a publicidade

A vacina também pode ser aplicada de forma prévia a uma potencial exposição, como no caso de veterinários e biólogos que lidam constantemente com o manejo de animais. Como medida preventiva, é preciso vacinar também o seu animal de estimação regularmente, com reforços anuais.

Não há uma janela exata, porque o tempo de incubação varia muito. Em média, pode levar de dois a três meses para os sintomas aparecerem, mas há casos em que eles já surgem em apenas uma semana – e outros em que levam até um ano para despontar.

Não espere: busque um serviço de saúde imediatamente após uma mordida.

Acesse as notícias através de nosso app

Com o aplicativo de VEJA SAÚDE, disponível para iOS e Android, você confere as edições impressas na íntegra, e ainda ganha acesso ao conteúdo dos apps de todos os títulos Abril, como Veja, Claudia e Superinteressante.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.