Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Por que faz mal segurar o xixi?

Entenda como o aparelho urinário trabalha e os perigos de adiar as idas ao banheiro, de infecção urinária a pedras nos rins

Por Goretti Tenorio Atualizado em 25 mar 2020, 12h16 - Publicado em 25 mar 2020, 09h39

Você já deve ter ouvido falar que segurar o xixi provoca infecção urinária. Mas sabia que reter a urina o tempo todo também leva a outros problemas de saúde? Veja, abaixo, como o sistema urinário funciona e os perigos de deixar de ir ao banheiro quando a vontade dá as caras:

Infográfico: Letícia Raposo/SAÚDE é Vital

1. O sistema urinário

Ele é composto de rins, ureteres, bexiga e uretra. A filtragem do sangue nos rins libera uma mistura de água, ureia, glicose, sais e aminoácidos. A parte purificada é reabsorvida, e as substâncias tóxicas, como a ureia, vão formar a urina, que, pelos ureteres, chega à bexiga.

2. O reservatório

A bexiga em geral acumula de 300 a 500 mililitros de xixi. Mas o mais comum é que a vontade de ir ao banheiro surja antes, quando o nível está em 200. O intervalo das idas ao banheiro depende de fatores como hidratação, temperatura e quanto suamos. Mas o ideal é esvaziar o órgão a cada duas ou três horas, umas seis vezes ao dia.

3. O princípio de uma infecção urinária

Fazer xixi é também uma maneira de eliminar micro-organismos nocivos ao corpo. Daí por que deixar de ir ao banheiro com regularidade acaba estimulando um aumento da população de bactérias — e, consequentemente, do risco de infecções no local.

4. A incontinência urinária

Embora a bexiga seja elástica e em tese suporte até mais de 1 litro, a contenção exagerada e repetitiva pode comprometer as fibras que sustentam o órgão. Quando ele perde a capacidade de se contrair direito, abre-se o caminho para a incontinência urinária.

5. Pedras nos rins

Para quem tem predisposição, a falta de hidratação adequada, associada à demora no esvaziamento da bexiga, potencializa a união de substâncias presentes na urina, como cristais de cálcio, que formam os dolorosos cálculos renais.

Continua após a publicidade

Quem é que sofre mais

Diferenças anatômicas tornam a retenção do xixi mais prejudicial a elas

Nas mulheres: nelas, além da uretra mais curta, a abertura próxima ao ânus facilita a entrada de bactérias.

Nos homens: a ameaça é o aumento da próstata com a idade (chamado de hiperplasia). A glândula pode espremer a uretra e dificultar o fluxo ali.

Medidas para o sistema urinário funcionar em paz

Água na medida: ela faz uma faxina nos rins, bexiga e companhia. O ideal é tomar em média 2 litros de água por dia.

Remédios, só com receita: o uso exagerado de anti-inflamatórios pode detonar os rins. Por isso, não tome por conta própria.

De olho nas taxas: pressão alta e diabetes danificam os vasos sanguíneos, o que também afeta o trabalho dos rins.

Fontes: Carlos Alberto Sacomani, coordenador do Departamento de Disfunções Miccionais da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU); Lilian Fiorelli, uroginecologista da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês