Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Por que algumas pessoas têm fotofobia?

Vontade incontrolável de fechar os olhos, incômodo persistente e até dor de cabeça. Não é fácil a vida de quem tem sensibilidade à luz. Entenda o problema

Por Chloé Pinheiro Atualizado em 12 jun 2022, 12h50 - Publicado em 11 jun 2022, 18h58

Portadores de fotofobia sentem muito desconforto nos olhos ao entrar em contato com a claridade. Desvende a seguir o mecanismo da hipersensibilidade à luz e conheça maneiras de driblar o incômodo.

Como a luz é absorvida pelos olhos?

o olho de quem tem fotofobia
Ilustração: Rodrigo Damati/SAÚDE é Vital

E em quem tem fotofobia?

Nesse caso, alguma parte do trajeto de recepção e leitura dos estímulos luminosos está sensibilizada ou desajustada. Em geral, a íris se contrai ao menor contato com a luz, reduzindo o tamanho da pupila para tentar conter a quantidade absorvida pelos olhos. Mas nem sempre isso acontece ou é o suficiente para reduzir o incômodo.

Compartilhe essa matéria via:

O que pode causar a hipersensibilidade?

Olhos claros: Os pigmentos verdes e azulados absorvem menos luz, permitindo que mais raios alcancem a retina e causando a sensibilidade.

Enxaqueca: Desordens em áreas do cérebro ou na sua conexão com a retina geram fotofobia — daí a relação com dores de cabeça crônicas.

Sol demais: A córnea fica irritada com a exposição prolongada ao sol. É um processo semelhante ao que acontece com a pele.

Hormônios: Mudanças hormonais nas mulheres fazem com que elas tenham até três vezes mais olho seco, que pode levar à fotofobia.

Problema ocular: Astigmatismo, inflamações e alterações na retina ou lesões na córnea afetam a passagem. Pupilas mais dilatadas também.

Infecções: Alguns micro-organismos gostam de infectar os olhos, como os causadores de toxoplasmose e tuberculose.

Falta de cuidado: O hábito de coçar os olhos com frequência, mau uso de lentes de contato e a falta de visitas ao oftalmo também conspiram.

Continua após a publicidade

Telas em excesso: A questão é a secura e o cansaço visual. O ideal é se lembrar de piscar, fazer intervalos regulares e olhar para pontos distantes.

+ Leia também: Vida longa à vista: a saúde visual em tempos de pandemia

Existe tratamento para a fotofobia?

Em primeiro lugar, é preciso entender a origem da condição. Pode ser que haja uma causa tratável por trás, seja uma doença ocular ou um distúrbio como o astigmatismo — que, muitas vezes, passa batido pois não embaça a visão como a miopia.

Se não houver um motivo específico, a recomendação é adotar táticas para lidar melhor com a luminosidade, como o uso de óculos escuros, com modelos mais fechadinhos do lado, lentes fotossensíveis (aquelas que mudam de cor) ou polarizadas, que alteram a incidência da luz sobre o olho.

Cuidado com os óculos escuros de procedência duvidosa

Em geral, produtos vendidos em barracas de camelô, feiras e praias não são capazes de barrar a radiação ultravioleta. Para piorar, enganam o olho, que relaxa e dilata a pupila, abrindo espaço para que mais luz entre.

+ Leia também: Fique alerta aos perigos dos óculos escuros falsificados para os olhos

Não é só o olho que sofre

Indivíduos de pele, cabelo e olhos claros são mais sensíveis à exposição ao sol. Essas pessoas (mas não apenas elas) estão sujeitas a desenvolver maior fotossensibilidade — e não só a ocular.

Em alguns casos, o contato do corpo com os raios solares ou outras fontes luminosas pode deflagrar uma reação do sistema imunológico, que provoca coceira, vermelhidão e dor. Certos medicamentos também desencadeiam esse processo.

Vale reforçar a proteção com filtros solares e roupas adequadas e procurar o médico se houver problemas.

Fontes: Leôncio Queiroz Neto, oftalmologista do Instituto Penido Burnier, em Campinas (SP); Ione Alexim, oftalmologista do Instituto de Ciências Neurológicas, em São Paulo; Márcia Cristina de Toledo, oftalmologista e presidente da Sociedade Goiana de Oftalmologia

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês