Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Oxandrolona: bula, para que serve, como tomar, riscos e cuidados

Esse remédio é usado para reposição hormonal em casos específicos. Mas tem gente tomando por conta própria e se sujeitando aos efeitos colaterais

Por Lucas Rocha
3 Maio 2024, 15h35

A oxandrolona é um composto sintético criado na década de 1960. A empresa farmacêutica GD Searle & Co., atualmente uma subsidiária da Pfizer, o transformou em um medicamento com nome comercial de Anavar nos Estados Unidos.

Por lá, o remédio contou com diversas aplicações terapêuticas, incluindo a promoção de crescimento de massa magra após cirurgia, trauma, infecção ou administração prolongada de corticoides. Sempre com prescrição médica.

Mas, atualmente, o produto vem sendo usado por usuários de academias com o objetivo de ganho de massa, mesmo sem uma necessidade de saúde. E o uso inadvertido e sem acompanhamento médico pode trazer sérios riscos para a saúde.

+ Leia também: O que você precisa saber sobre o medicamento durateston

No Brasil, a oxandrolona é uma substância inscrita na lista C5 da Portaria 344, de 1998, do Ministério da Saúde. Na prática, isso significa que a dispensação dessa categoria de medicamentos ocorre somente com retenção de receita.

Consultada, a Anvisa afirmou que já houve medicamentos dessa natureza registrados no país, na forma de comprimidos. No entanto, os registros caducaram.

“Não há proibição quanto a manipulação da oxandrolona, desde que prescrita por profissional habilitado, para a mesma indicação terapêutica e via de administração aprovadas à época em que houve registro do medicamento, e desde que haja retenção da receita”, pontua a Anvisa, em nota.

Continua após a publicidade

+ Leia também: Vale tudo por um abdômen sarado?

O que é oxandrolona

A oxandrolona é um hormônio anabolizante sintético com ação semelhante à testosterona.

O agente pode ser utilizado em condições clínicas específicas que requerem reposição do hormônio masculino.

Para que serve o composto

Os níveis de testosterona podem cair de maneira mais pronunciada devido a diferentes fatores, como o avanço da idade, estresse e a infecção pelo HIV.

Os sintomas desse déficit do hormônio masculina podem incluir problemas como redução do desejo sexual, dificuldades de ereção, irritabilidade, diminuição da massa muscular e perda de força.

“As principais causas são problemas que envolvem a hipófise, como tumores hipofisários, ou os testículos, como lesões. Existem algumas doenças metabólicas, como obesidade e diabetes, que são associadas ao quadro”, detalha o médico Paulo Miranda, presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).

Continua após a publicidade

O diagnóstico da deficiência hormonal é realizado a partir de um exame de sangue. Nesse caso, pode ser necessário realizar o tratamento para aumentar os níveis do hormônio.

“A reposição de testosterona ou oxandrolona está indicada nas situações de deficiência diagnosticada nos homens, o que a gente chama de hipogonadismo“, afirma o médico endocrinologista Paulo Rosenbaum, do Hospital Israelita Albert Einstein. A ideia é contrapor aqueles sintomas mencionados anteriormente.

A oxandrolona também pode ser utilizada na recuperação de massa em casos específicos como cirurgias, infecções crônicas, trauma e uso prolongado de corticoides. No entanto, o presidente da SBEM frisa que não há um consenso médico sobre a indicação clínica da substância.

saude-atividade-fisica-exercicios-academia-suplementacao
Terapia hormonal com oxandrolona é utilizada inadequadamente para ganho de ganho de massa muscular (Foto: Alora Griffiths/Unsplash/Divulgação)

Formas de administração da oxandrolona

A oxandrolona é administrada na forma de comprimidos.

Na ausência de medicamentos registrados no Brasil, ela pode ser produzida em farmácias de manipulação, apenas com prescrição médica e retenção de receita.

Continua após a publicidade

Posologia

Existem diferentes possibilidades de formulação da oxandrolona, como cápsulas de 10 ou 20 miligramas.

O modo de usar o fármaco varia segundo a necessidade de cada paciente, de acordo com o nível hormonal e a condição de saúde associada. “Não há uma posologia padronizada”, pontua Miranda.

+ Leia também: Fobia de academia: como superar a resistência e não deixar de malhar

Riscos da utilização inadequada de oxandrolona

A terapia hormonal com testosterona ou oxandrolona é utilizada incorretamente para ganho de ganho de massa muscular com fins estéticos e melhora do desempenho esportivo. A conduta é fortemente contraindicada pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).

O Conselho Federal de Medicina (CFM) proibiu, através de uma resolução de 2023, a prescrição desse tipo de medicamento com finalidade puramente estética. Na decisão, o órgão destaca a ausência de estudos clínicos de boa qualidade que atestem os riscos do uso indiscriminado tanto para homens como para mulheres.

Ou seja, tomar oxandrolona por conta própria, sem indicação clínica e acompanhamento médico representa um risco para a saúde de diversas ordens.

Continua após a publicidade

“Para os homens, o uso em excesso desses hormônios leva a uma supressão na produção de testosterona pelo testículo. Os indivíduos podem ficar inférteis, com testículo atrofiado. E há risco de ginecomastia, que é o aumento da região da mama e calvície”, diz Rosenbaum.

E o problema não está restrito a eles. “Nas mulheres, pode levar ao surgimento de acne, aumento da quantidade de pelos, engrossamento de voz e clitoromegalia, que é o crescimento do clitóris”, alerta o médico.

O uso inadequado de oxandrolona ainda eleva o risco de problemas cardiovasculares, como trombose, doença arterial coronariana, arritmias, hipertensão e até mesmo morte súbita.

São comuns ainda sinais de alterações na saúde mental, como agressividade, comportamento suicida, depressão e dependência.

Bula da oxandrolona

Devido à ausência de medicamentos à base de oxandrolona registrados no Brasil, não há bula disponível no portal da Anvisa.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.