Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

O sequenciamento genômico em expansão

Primeira empresa a decifrar a genética do coronavírus abre sede no Brasil, ampliando potencial de pesquisa e oferta de exames no país.

Por Ingrid Luisa
1 jun 2022, 14h51

Sequenciar rapidamente o RNA do vírus da Covid-19 foi um passo decisivo para o controle da pandemia.

Graças à leitura do código genético do Sars-CoV-2, cientistas conseguiram criar exames e fabricar vacinas em tempo recorde.

E, hoje, podem acompanhar o surgimento de variantes, assegurar a acurácia dos testes diagnósticos e reconstruir o caminho evolutivo do patógeno.

Com o sequenciamento de nova geração, capaz de processar mais dados em menos tempo, um trabalho que demorava meses agora é concluído de forma mais rápida e barata.

Pois a empresa americana Illumina utilizou essa tecnologia no aparelho responsável pela primeira decodificação do coronavírus.

Continua após a publicidade

Uma das líderes do mercado genômico, a companhia aposta em alta precisão, capacidade de análise de grande volume de amostras e preços mais acessíveis, e agora inaugura, em São Paulo, sua sede na América Latina.

Não é exatamente uma estreia no país: as máquinas dela estão em 26 dos 28 principais laboratórios que fazem sequenciamento genético por aqui. “Além da tecnologia, prezamos a logística para atender todo o Brasil sem atrasos nos insumos”, diz Patricia Landsmann, head da Illumina na região.

+Leia Também: Um novo jeito de ler o genoma dos vírus (e achar tratamentos)

Marco Temporal

O DNA humano foi sequenciado pelo Projeto Genoma com a participação de laboratórios do mundo todo em mais de dez anos. Hoje se faz o mesmo com uma máquina em menos de 48 horas. Isso porque a técnica antiga processava só 96 fragmentos de DNA por vez, o que exigia centenas ou até milhares de repetições. Já os sequenciadores modernos podem ler até bilhões de fragmentos ao mesmo tempo.

Continua após a publicidade

Como a leitura é feita

As etapas básicas seguidas pelos laboratórios

Preparação
Primeiro o material genético é extraído da amostra biológica. Se for RNA, algumas técnicas o transcrevem para DNA com a enzima transcriptase reversa.

Criação da biblioteca
Fragmenta-se o material, e algumas sequências de bases (as letrinhas) são marcadas para serem identificadas uma a uma. Isso facilita a leitura depois.

Decodificação
É o sequenciamento propriamente dito: o aparelho lê por meio de processos bioquímicos cada letrinha do código genético, digitalizando e registrando a ordem.

Continua após a publicidade

Análise dos dados
Após terem a sequência pronta, os cientistas podem fazer várias coisas — identificar um vírus, rastrear uma doença, revelar o grau de parentesco etc.

+Leia Também: Teste genético: quando fazer? 

No que a tecnologia pode ajudar

Sequenciamento genômico atua em diversas frentes hoje

Farmacologia
Dados extraídos de estudos genéticos ajudam a verificar as reações adversas a medicamentos e a criar drogas mais seguras.

Continua após a publicidade

Microbiota
Conhecer o perfil genético dos micro- -organismos da flora intestinal auxilia na prevenção e no controle de certas doenças.

Agropecuária
Grandes plantações e fazendas de gado usam o sequenciamento para melhorar as matérias–primas dos produtos que chegam ao público.

Controle de qualidade
Identificar eventuais micróbios presentes nas cadeias produtivas industriais evita contaminações na mercadoria final.

Segurança
Ambientes como UTIs precisam estar livres de patógenos. Pesquisas genéticas contribuem para fechar o cerco a bactérias resistentes.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.