Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

O que fazer em caso de suspeita de coronavírus?

Os sintomas mais comuns do novo coronavírus são similares aos de uma gripe. O que define um caso suspeito e quando ir para o hospital ou fazer exame?

Por Daniella Grinbergas e Gustavo Vianna - Atualizado em 29 abr 2020, 13h29 - Publicado em 30 mar 2020, 17h14

No dia 20 de março, o Ministério da Saúde declarou que o Brasil já apresentava transmissão comunitária do novo coronavírus (Sars-CoV-2). Em outras palavras, isso significa que toda pessoa com febre e sintomas respiratórios como coriza, tosse e falta de ar se enquadra como um potencial caso suspeito de Covid-19, a doença provocada por esse agente infeccioso. Antes disso, a definição valia somente para pessoas que viajaram ou tiveram contato com pacientes infectados. Sendo assim, quem apresenta um quadro similar ao de uma gripe deve ir ao hospital?

A orientação do Ministério da Saúde é: em caso de suspeita, fique em casa por 14 dias e só procure um hospital se o problema se agravar. A Organização Mundial da Saúde também indica isolamento domiciliar por 14 dias dos demais moradores da residência.

Durante esse período, é preciso ficar atento à evolução do quadro. “Sintomas leves, como tosse e coriza prolongadas por vários dias, não são preocupantes. Mas, se houver febre alta persistente e se a tosse vier acompanhada de desconforto respiratório, procure atendimento médico imediato”, recomenda Marcelo Mimica, infectologista do Fleury Medicina e Saúde. O recado vale em dobro para os grupos de risco.

O que fazer diante de sintomas leves

Nesse caso, as medidas a serem tomadas são: fique de repouso, hidrate-se bem, mantenha uma alimentação saudável e, se precisar, recorra a medicamentos como antitérmicos e analgésicos para aliviar os incômodos.

Continua após a publicidade

Se precisar tirar qualquer dúvida, ligue para o Disque Saúde, pelo número 136 – profissionais fazem o atendimento, dando orientações sem que o paciente precise se deslocar.

Como agir em caso confirmado de coronavírus em casa

Algumas medidas são importantes para proteger os demais moradores. O Ministério da Saúde aconselha que o paciente se isole em um cômodo da casa, com a porta fechada e as janelas abertas para circulação de ar.

É necessário respeitar um distanciamento de pelo menos um metro entre o paciente e os demais residentes, além de limpeza de maçanetas, vaso sanitário e móveis com álcool 70% ou água sanitária. Fora isso, objetos como talheres, lençóis, copos e toalhas devem ser usados somente pela pessoa diagnosticada com Covid-19. O lixo produzido por ela também precisa ser separado.

 

Publicidade