Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Mulheres se preocupam com a pele, mas muitas erram no básico

Pesquisa inédita aponta enganos na hora de cuidar da pele e ainda mostra que a maioria do sexo feminino se sente insatisfeito com a aparência da cútis

Por Thaís Manarini
2 Maio 2019, 17h49

Cuidar da pele está longe de ser só uma obrigação para 83% das brasileiras – segundo essa parcela, o ritual é movido por um sentimento de prazer. É o que aponta um levantamento encomendado pela marca Avon ao Ibope Conecta, do qual participaram mil mulheres entre 25 e 60 anos de todas as regiões do país.

O trabalho ainda revela que 6 em cada 10 entrevistadas estão insatisfeitas com a pele do rosto. E veja que curioso: as jovens são maioria aqui. Esse dado foi um dos que mais surpreendeu o dermatologista Jardis Volpe, diretor clínico da clínica Volpe, em São Paulo.

A outra informação que intrigou o médico foi a de que, apesar de se mostrar mais descontente com a aparência, a turma jovem é a que menos sabe cuidar da cútis. “Acho que esse grupo tem muito acesso à informação, mas isso acaba mais confundindo do que ajudando”, interpreta o médico. “Para completar, muitas vezes as mulheres não contam com o auxílio de um profissional”, completa.

Para ter ideia, as participantes de menos idade foram as que mais relataram desconhecer o próprio tipo de pele – algo crucial para direcionar a compra dos produtos. Quase um terço relatou utilizar só sabonete do corpo para limpar o rosto.

“O problema disso é que esse sabonete em barra é mais agressivo e pode ressecar a pele”, explica Volpe. “Já o produto indicado para o rosto apresenta pH adequado para a região”, justifica.

Continua após a publicidade

E se engana quem pensa que o ritual de beleza precisa demorar horas. Segundo o especialista, os passos fundamentais são: limpeza, proteção solar e tratamento.

“A limpeza deve ser feita com um sabonete adequado para seu tipo de pele”, explica Volpe. O protetor também precisa seguir as características de sua cútis. “Já o tipo de tratamento depende da idade”, acrescenta o médico.

Para as mais jovens, diz ele, usar antioxidante é importante. Um dos exemplos é a vitamina C – que, aliás, foi o lançamento da Avon durante apresentação da pesquisa.

Continua após a publicidade

A substância é responsável por evitar o excesso de radicais livres que o corpo produz. Dessa maneira, há diminuição da destruição celular e, por consequência, menor formação de linhas finas e também de manchas. Fora que a vitamina C participa da produção de colágeno, que confere firmeza à derme.

Mais tarde (ou em paralelo), outros produtos podem entrar na jogada, como os formulados com ácidos e peptídeos. Isso depende da idade e da situação da pele – vale um bate-papo com o dermatologista.

“Acho bom começar a pensar na prevenção do envelhecimento a partir dos 25 anos”, aconselha Volpe. Já protetor solar deve ser aplicado desde a infância. Até porque, mais do que preservar a beleza, ele previne o câncer de pele.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.