Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Febre: tire todas suas dúvidas

Quando a temperatura sobe, surgem as dúvidas. Encontre respostas para todas elas e faça a coisa certa quando alguém da sua família ficar febril

Por Redação M de Mulher
Atualizado em 21 mar 2023, 17h08 - Publicado em 15 set 2013, 22h00

 

Pode tomar qualquer remédio para baixar a temperatura?
Não. As drogas indicadas para reduzir a medida do termômetro são os antitérmicos ou antipiréticos. No Brasil, os mais populares deles são a dipirona, o paracetamol, o ibuprofeno e o ácido acetilsalicílico. Mas atenção: este último deve ser evitado por crianças, sob pena de causar prejuízos ao fígado e ao cérebro com o uso indevido. Lembre-se ainda que pessoas de qualquer idade podem apresentar alergia ao princípio ativo de um medicamento e, por isso, precisam checar com o seu médico qual o antitérmico mais indicado para o seu organismo antes de sair engolindo qualquer coisa para a temperatura cair.

Pode tomar antitérmico se a febre é mais baixa do que 38 graus?
Pode, se a criança ou o adulto está muito indisposto. Mas tem gente que com febre baixa, menor do que 38 graus, não costuma se sentir mal e, por isso, não precisaria tomar nenhum medicamento. A febre, afinal, é uma reação de defesa normal do corpo humano. Não precisa ser atacada se a pessoa passa bem. A quem recorre ao remédio, vale o recado: fique atento à dose, que deve ser adequada à idade e ao peso do indivíduo.

Pode permanecer com febre alta por mais de meia hora?
Pode, desde que não existam outros sintomas como dores, náuseas ou sangramentos. O que, na prática, quase não acontece: dificilmente alguém fica com a temperatura lá no alto sem sentir o corpo dolorosamente moído, por exemplo. Em geral, os médicos consideram que a febre alta quando ultrapassa os 38, 8 graus. Esse parâmetro só não vale para crianças com menos de 4 meses. Nessa idade, independentemente da gravidade da febre, o bebê deve ser levado ao pediatra sempre que a temperatura subir além do normal.

Pode tomar um segundo antitérmico se o primeiro demorar para fazer efeito?
Não pode. Até mesmo os medicamentos mais rápidos não agem instantaneamente porque precisam ser absorvidos para funcionar no organismo. Por isso, levam de 40 minutos a uma hora para fazer efeito.

Pode antecipar o intervalo indicado na bula, se a febre voltar a subir depressa?
Não pode, de jeito algum. Agindo assim você transforma um remédio seguro em droga potencialmente perigosa. Segure a ansiedade e, melhor ainda, ligue para o médico. Em geral, o recomendável é só repetir a dose do antitérmico depois de 4 a 6 horas da ingestão anterior do remédio. Algumas drogas, como a dipirona, pedem intervalos maiores: você pode repetir a dose de oito em oito horas, salvo outra sugestão do médico.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.