Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Termômetro e medidor de pressão com mercúrio não podem mais ser vendidos

A medida, aprovada originalmente em 2017, entrou em vigor este ano. Saiba o que fazer se você ainda conta com esses equipamentos em casa

Por Paula Laboissière (Agência Brasil)
8 jan 2019, 14h21

Desde o 1º de janeiro de 2019, está proibida em todo o país a fabricação, a importação e a comercialização de termômetros e de esfigmomanômetros (aparelhos para verificar a pressão arterial) que utilizam mercúrio para diagnosticar febre ou hipertensão, respectivamente. A medida foi publicada originalmente no Diário Oficial da União em março de 2017, mas, naquela ocasião, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) deu até o início deste ano para os fabricantes e os serviços de saúde se adaptarem à norma.

Por meio de nota, o Ministério da Saúde informou que a determinação cumpre o compromisso assumido pelo Brasil na Convenção de Minamata, que debateu os riscos do uso do mercúrio para a saúde e para o meio ambiente. A convenção, assinada pelo Brasil e por mais 140 países em 2013, tem como objetivo eliminar o uso de mercúrio em diferentes produtos.

A resolução brasileira, entretanto, não veta o uso doméstico de termômetros de mercúrio para quem que já possui o equipamento. “A população poderá continuar usando-os, mas com o devido cuidado no armazenamento e na manipulação para que não ocorra a quebra do vidro”, alertou o ministério. Se o produto estiver em boas condições e íntegro, não há problema à saúde.

Agora, em caso de qualquer fissura, há sim potencial para intoxicação. Para não deixar isso ocorrer, devem ser tomadas as seguintes precauções:

  • Isolar o local e não permitir que crianças brinquem com as bolinhas de mercúrio
  • Abrir as janelas para arejar o ambiente
  • Recolher com cuidado os restos de vidro em toalha de papel ou luvas e colocar em recipiente resistente à ruptura, para evitar ferimento
  • Localizar as “bolinhas” de mercúrio e juntá-las com cuidado, utilizando um papel cartão ou similar. Evite contato da pele com o mercúrio
  • Recolher as gotas de mercúrio com uma seringa sem agulha. As gotas menores podem ser recolhidas com uma fita adesiva
  • Transferir o mercúrio recolhido para um recipiente de plástico duro e resistente ou vidro, colocar água até cobrir completamente o mercúrio a fim de minimizar a formação de vapores de mercúrio, e fechar o recipiente
  • Identificar o recipiente, escrevendo na parte externa “Resíduos tóxicos contendo mercúrio”
  • Não usar aspirador, pois isso vai acelerar a evaporação do mercúrio, assim como contaminar outros resíduos contidos no aspirador.

Os materiais utilizados durante o procedimento, como luvas e seringas, também deverão ser colocados em embalagens rotuladas e não devem ser descartados em lixo comum.

Este conteúdo foi produzido pela Agência Brasil. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.