Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Faça chuva ou faça sol, use protetor solar

Os raios ultravioleta não saem de cena no inverno. Entenda a importância de passar filtro solar para se proteger deles

Por Chloé Pinheiro
Atualizado em 19 mar 2019, 17h10 - Publicado em 14 ago 2018, 17h53

Apesar de ainda vermos alguns teimosos por aí, o protetor solar é figurinha carimbada das malas de quem vai passar as férias na praia ou vai curtir o sol do verão. Mas, com a chegada dos meses mais frios do ano, a história é outra. “Como no inverno não sentimos calor, as pessoas acreditam que não há grande risco em se expor sem o produto”, explica o dermatologista Marcus Maia, professor da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, na capital paulista. O problema é que o perigo existe, sim, e a responsável por ele é a radiação UVA.

A encrenca com os raios UVA começa com a falta de informação: há certo desconhecimento sobre eles. Enquanto o UVB é mais predominante no verão do que na estação do frio, o UVA incide o ano inteiro e também ao longo de todo o dia. “Antes das 10 e depois das 17 horas, o horário em que teoricamente seria permitido tomar sol livremente, o UVA continua sendo emitido e, como não queima, durante muito tempo achou-se que ele era inofensivo”, expõe o dermatologista Sérgio Schalka, da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Justamente por passar despercebido, o UVA tem potencial para causar mais estragos à pele. “Como os filtros solares antigos protegiam dos raios UVB, o indivíduo podia ficar mais tempo ao ar livre sem risco de vermelhidão. Enquanto isso, o UVA atingia a derme”, explica o dermatologista Marcus Maia. No inverno, essa ameaça ainda ganha outro componente. “Muitas famílias viajam para o campo e buscam o sol para se aquecer. Mas em locais com altitude elevada o índice ultravioleta sobe”, alerta Maia. Com o caminho livre para essa radiação, os problemas começam a pipocar.

O perigo mais grave é o câncer de pele melanoma, variedade mais agressiva dos tumores que acometem o tecido. “Ele tem maior potencial de alcançar outros órgãos, já que se instala em uma camada mais profunda da derme”, aponta Maia. Uma das maneiras de flagrá-lo é ficar de olho em pintas e feridas. Se elas mudam de formato, aumentam de tamanho ou os ferimentos não cicatrizam, é melhor procurar um dermatologista. Esse tumor é um dos poucos que se pode evitar. Basta se resguardar da maneira adequada. “Teoricamente, ele não deveria nem existir”, opina Maia. Mas não é só o UVA que fomenta a moléstia: as queimaduras causadas pelo UVB estão por trás do câncer não melanoma, bem mais comum e que também precisa ser prevenido e acompanhado de perto.

Além de barrar perigos tumorais, usar protetor em todas as estações garante uma aparência jovial por décadas a fio. “Quando o UVA penetra na derme, chega até as fibras de colágeno, que sustentam a pele, causando assim um aspecto envelhecido”, explica Maia. Sem contar que as manchas não dão pinta quando nos besuntamos com o produto o ano todo. “De alguns anos para cá, os estudos mostram que o uso regular do filtro solar para tratar e preveni-las é até mais importante do que a aplicação apenas na praia”, aponta Schalka. Vale lembrar que moramos em um país onde o astro rei brilha a toda mesmo no inverno.

Continua após a publicidade

Proteção o ano todo

Para garantir que a radiação ultravioleta passe batida, o primeiro conselho é conhecer bem seu tipo de pele. Além do tom, é importante consultar o dermato para ficar por dentro dos fatores de risco, que vão de cor dos olhos a histórico familiar. No cotidiano, o protetor não deve ser esquecido. Daí a necessidade de passá-lo ao menos uma vez pela manhã. Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, o FPS mínimo indicado é 30, independentemente da cor da pele.

Outro ponto crucial é a quantidade: para o rosto, por exemplo, é necessário meia colher de chá. Lembrete: nuca e pescoço não estão imunes à radiação – filtro neles. Dessa forma, a pele permanece bonita e saudável no verão, na primavera…

Como o FPS é calculado?

Os laboratórios expõem voluntários (ou pele artificial) a uma luz que simula a do sol durante determinado período com quadradinhos posicionados na pele em área sem o protetor e outra com o produto. Depois, é feita uma conta que divide o tempo que a vermelhidão demorou para aparecer nos dois locais.

Como os raios solares afetam sua pele

Infravermelha (atinge a epiderme): essa radiação é responsável pelo calor que emana do astro rei. Acreditava-se que o único inconveniente dela é a sensação de ressecamento e uma eventual desidratação. Mas estudos recentes têm mostrado que ela aumenta o risco de doenças e envelhecimento da pele.

Continua após a publicidade

UVA (atinge a camada subcutânea): esses raios penetram nas camadas mais profundas da pele sem deixar marcas, causando envelhecimento precoce e o melanoma, um tipo agressivo de câncer.

UVB (atinge a derme): são eles que provocam a vermelhidão e as queimaduras solares. Além disso, também estão diretamente relacionados ao câncer de pele não melanoma, o mais comum dos tumores nesse tecido.

Luz visívelÉ toda a luz que conseguimos enxergar, incluindo a artificial. Embora menos intenso, seu efeito cumulativo lembra o dos raios UVA.

UVC: esse tipo de radiação é o mais nocivo. Na teoria, provocaria queimaduras graves e catapultaria o risco de tumores. Mas não se preocupe: ele fica retido na camada de ozônio.

* Essa reportagem foi publicada originalmente em julho de 2012

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.